i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
RJ

Denúncias de estupro aumentam 23% no RJ, diz polícia

Entre os casos a serem investigados, estaria um estupro cometido durante o carnaval - a vítima não registrou queixa

  • PorAgência Estado
  • 02/04/2013 18:22

A Polícia Civil do Rio vai investigar casos antigos de roubos que podem ter sido praticados pelos mesmos suspeitos de assaltar e estuprar uma turista estrangeira e uma jovem brasileira dentro de uma van que circulava em Copacabana nos dias 23 e 30 de março. A informação foi dada pelo delegado titular da Delegacia Especial de Apoio ao Turismo (Deat), Alexandre Braga, durante entrevista coletiva realizada nesta terça-feira (2).

Entre os casos a serem investigados, estaria um estupro cometido durante o carnaval - a vítima não registrou queixa. Mesmo não havendo denúncia de todos os casos de estupro, o Estado do Rio registrou um aumento de 23% no número de ocorrências denunciadas à polícia. Foram 6.029 casos registrados em 2012 (uma média de 16 por dia), ante 4.871 no ano anterior, de acordo com o Instituto de Segurança Pública (ISP).

O caso reacendeu o debate sobre a segurança na cidade que já neste ano se prepara para receber grandes eventos, como a Jornada Mundial da Juventude e a Copa das Confederações. "Apesar de pontual, um episódio como este representa um sinal amarelo, uma ameaça de retrocesso a um trabalho de reposicionamento arduamente desenvolvido nos últimos anos", disse o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio de Janeiro (Abih-RJ), Alfredo Lopes. "O fato de ser em Copacabana, bairro mais famoso do Rio, aumenta ainda mais a repercussão negativa".

Para o sociólogo Ignacio Cano, pesquisador do Laboratório de Análise da Violência da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Lav-Uerj), trata-se de um caso entre muitos. "Nem a gente tinha a cidade plenamente segura antes, nem agora a gente vive num caos por conta desse caso. Há um excesso na cobertura, como se isso representasse uma crise na segurança, e também é resultado de que, justamente antes, a cobertura era excessivamente otimista".

Diferença de tratamento

A ocorrência dos dois estupros também mostrou a diferença de tratamento dado às investigações conduzidas por duas delegacias especializadas. Em 14 horas, a Deat, onde a turista estrangeira prestou queixa, localizou e prendeu Jonathan Foudakis de Souza, de 20 anos, e Wallace Aparecido Souza Silva, de 22, e chegou ao terceiro suspeito, Carlos Armando Costa dos Santos, 21, pouco tempo depois. Já a inércia da Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) de Niterói (região metropolitana), onde a vítima brasileira prestou queixa no dia 23, levou a chefe da Polícia Civil do Rio, Marta Rocha, a exonerar a titular da Deam, Marta Dominguez, e a perita Martha Pereira, diretora do Posto Regional de Polícia Técnico-Científica de São Gonçalo.

"Um crime contra turista hoje no Rio tem uma sensibilidade muito grande, portanto vai receber uma atenção também muito elevada. Um crime sério contra o turista compromete, digamos, o projeto da cidade, e portanto vai receber mais atenção", avalia Cano. "O que não justifica que as pessoas em condições normais não recebam um tratamento digno, rápido e eficiente".

Para a socióloga Jacqueline Pitanguy, diretora da ONG Cepia (Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação), tais falhas colocam a mulher e o cidadão brasileiro em uma situação muito vulnerável. "O caso da brasileira é dramático. É muito difícil fazer gradações do horror, porque os dois são horríveis, mas a brasileira denunciou imediatamente, ela foi a uma delegacia, e não foi acolhida. Isso triplica a sensação de vulnerabilidade".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.