i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Soterrados

Dia de dor e medo em Niterói

Além do deslizamento na noite de quarta-feira, que elevou para 104 o número de mortos, cidade parou por causa de um boato de arrastão

  • PorDas agências
  • 08/04/2010 21:04
O Morro do Bumba, em Niterói, depois do deslizamento da noite de quarta-feira: após abrigar lixão durante 16 anos, local não deveria ter moradias | Sérgio Moraes/Reuters
O Morro do Bumba, em Niterói, depois do deslizamento da noite de quarta-feira: após abrigar lixão durante 16 anos, local não deveria ter moradias| Foto: Sérgio Moraes/Reuters

Vida segue

Moradores do Rio e de Niterói que a reportagem vem ouvindo desde terça-feira tentam voltar à rotina, mas resta o temor de novos temporais.

Tarcísio de Oliveira, 66 anos, copeiro

Na quarta-feira, Oliveira saiu uma hora antes de casa, em Belford Roxo, para o trabalho, no bairro Botafogo. Ontem, segundo ele, o número de veículos na rua já era normal e ninguém faltou ao trabalho na empresa de arquitetura. "Aconteceu naquela terça-feira e agora passou. Hoje (ontem) já é como outro dia qualquer", disse.

Leonardo Sales da Silva, 25 anos, funcionário público

No Ministério Público Estadual, onde o estudante trabalha, alguns servidores que moram na zona Oeste não apareceram ontem.

O ônibus que ele utiliza não atrasou. Mas o receio permanece.

A UERJ, onde estuda, fica no Maracanã, uma das áreas mais afetadas. "Se voltar a chover não vou à aula."

Alina Lopes de Araújo, 20 anos, estudante

As redondezas do prédio a estudante mora, em Niterói, continuavam cobertas de lama ontem. Operários e máquinas faziam a limpeza e desentupiam os bueiros. Segundo ela, ainda está difícil se locomover. "Os ônibus ainda atrasam. Esperei uma hora, mas fiz o trajeto ao trabalho no tempo habitual."

Júlio Resende, 25 anos, engenheiro

Com a situação crítica em outras áreas de Niterói, a Defesa Civil não pode vistoriar os deslizamentos que atingiram edifícios residenciais em Boa Viagem. O trajeto entre o bairro e São Cristóvão, na capital, onde trabalha o engenheiro, foi feito no tempo normal. "Há pouco trânsito deste lado da ponte porque ainda há áreas isoladas", disse.

Ciclone sobre o Oceano cria ondas gigantes

O vento provocado por um ciclone extratropical no oceano aumentou ontem a frequência e o tamanho das ondas em toda a orla do estado do Rio. O Serviço Me­­teorológico Marinho emitiu um aviso de ressaca com previsão de ondas com altura entre 2,5 metros e 4 metros até amanhã. Na baía de Guanabara, eram esperadas ondas de até 1,5 metro na noite de ontem.

Leia a matéria completa

Morro com 102 barracos pode desabar

Entre as 130 favelas que, segundo a prefeitura do Rio, correm risco de desabar, está o Morro do Bananal, na Tijuca, zona norte. O local tem 102 barracos, todos condenados. Apesar do risco iminente e de constar da lista de remoção, a comunidade não recebe a visita de representantes do município desde o ano passado.

Leia a matéria completa

Rio de Janeiro - A tristeza e o desespero se abateram ontem sobre Niterói, a cidade com o maior número de mortos em decorrência das chuvas desde segunda-feira no estado do Rio de Janeiro. Com o deslizamento no Morro do Bumba, por volta das 21 horas de quarta-feira, chegou a 104 o número de mortos no município, o que levou o prefeito Jorge Roberto Silveira a decretar estado de calamidade pública. A prefeitura estima que pelo menos 200 pessoas tenham sido soterradas no local e que 50 casas foram destruídas. Até a noite de ontem, 14 corpos foram recolhidos. Em todo o estado, o número de mortos chegou a 179.

Para piorar a situação, um boato de arrastão levou pânico à população de Niterói ontem. O comércio do centro da cidade, os bancos e o Fórum fecharam as portas e houve correria em ruas centrais. Segundo policiais, traficantes do Morro do Estado, a maior favela do município, teriam mandado fechar o comércio em protesto contra a falta de atenção com as vítimas das chuvas. No final da tarde, a Polícia Militar desmentiu a informação e afirmou que houve apenas um protesto no Morro do Estado.

Lixão

A tragédia no Morro do Bumba, uma área de ocupação irregular, foi anunciada horas antes da avalanche que varreu a comunidade. No fim da tarde de quarta-feira, um deslizamento soterrou uma casa e deixou um morador desaparecido. Bombeiros foram chamados. Eles deixaram o local por volta das 18h30. Não deu tempo: entre 20h30 e 21 horas ocorreu o deslizamento.

O local, no bairro Viçoso Jardim, abrigou um lixão entre 1970 e 1986. Com a desativação do lixão foi proibida a ocupação do local, na administração do prefeito Waldernir Bragança, mas aos poucos, por falta de fiscalização, foram construídas pequenas casas de alvenaria. Ao longo do tempo, o local ganhou uma grande caixa d’água, uma quadra poliesportiva e uma creche.

Para a secretária de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro, Marilene Ramos, a provável causa do deslizamento foi uma explosão do gás metano, decorrente da decomposição do antigo lixão. O lixo em decomposição teria formado uma bolsa de gás, que em contato com o ar teria causado a explosão ouvida pelos moradores antes do deslizamento. "Trata-se de um terreno insalubre. Ainda que não houvesse tamanha instabilidade, nunca deveria ter sido ocupado", disse. A cor preta do solo que deslizou é resultado da decomposição do lixo.

Outra causa pode ter sido o acúmulo de água no solo, já que o terreno de rocha em decomposição forma fraturas, por onde a água penetra e se acumula. Além disso, o lixo que se acumula forma um chorume, que desliza como lama. Em 2004, o Instituto de Geociência da Universidade Federal Flumi­nense fez um estudo sobre o Morro do Bumba, a pedido do Ministério das Cidades, e constatou que a área tinha alto risco de acidentes e exigia monitoramento constante. A Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente de Niterói abriu um inquérito para investigar se o deslizamento foi causado por falha humana.

Na terça-feira, cinco pessoas haviam morrido soterradas no local, após um deslizamento que destruiu duas casas. "Os moradores foram alertados de que precisavam sair do local’’, disse o secretário municipal do Meio Ambiente de Niterói, José Antônio Fer­nan­des. Moradores negam ter recebido o alerta. Naquele dia, a prefeitura iniciou a abertura de um canal para escoar a água. Os operários trabalharam até as 18 horas de quarta-feira, horas antes do deslizamento. Um vigia que tomava conta da retroescavadeira usada no serviço morreu soterrado.

O governador do Rio, Sérgio Cabral, estima que serão necessárias duas semanas para resgatar todos os corpos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.