i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Julgamento nesta quarta

Direito ao esquecimento: STF decide se você pode exigir que dados do seu passado sejam excluídos da rede

  • Por Leonardo Desideri
  • Brasília
  • 30/09/2020 13:05
fachada stf
Detalhe da estátua da Justiça na sede do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília.| Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Nesta quarta-feira (30), o Supremo Tribunal Federal (STF) deve julgar uma ação que trata do direito ao esquecimento, isto é, o direito que as pessoas têm de que um fato sobre seu passado não venha a público. O direito ao esquecimento não é previsto pela legislação brasileira, mas já foi reconhecido judicialmente por alguns tribunais brasileiros, que se inspiraram em decisões judiciais do exterior.

O tema é polêmico especialmente porque, com a internet, a facilidade de acesso a dados do passado das pessoas pode comprometer o direito à honra e à proteção da intimidade. Por outro lado, a ideia de banir certos conteúdos de páginas de internet pode ser entendida como censura.

O caso em questão no julgamento desta quarta se originou de uma ação movida pelos familiares de Aída Curi, uma jovem de 18 anos que foi assassinada no Rio de Janeiro em 1958 depois de sofrer tentativa de estupro. Em 2004, o programa Linha Direta, da Globo, contou a história da morte de Aída com simulações e uso de imagens de arquivo. Para os familiares de Aída, a reconstituição do episódio fere o direito ao esquecimento.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) já indeferiu o pedido da família, alegando que o programa usou apenas fatos que já eram públicos e tinham sido amplamente divulgados pela imprensa durante anos. Após a decisão do STJ, o caso foi levado ao STF, onde tem relatoria do ministro Dias Toffoli.

Como o direito ao esquecimento poderia afetar os dados que estão na internet

O julgamento desta quarta não tem relação com a internet, mas tem repercussão geral, ou seja, afetará outras decisões sobre o direito ao esquecimento, inclusive aquelas relacionadas à rede. O foco do julgamento, por isso, tem sido as suas consequências para a internet.

Se o STF apresentar uma interpretação favorável ao direito ao esquecimento, pessoas que ganhassem batalhas judiciais com base nessa decisão poderiam exigir, por exemplo, a exclusão de dados publicados no passado, a proibição de que os dados fossem publicados de novo no futuro e a remoção de informações do passado registradas em mecanismos de buscas.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • R

    Rolando Silva

    ± 0 minutos

    Isso daria oportunidade para que pedófilos, estupradores e outros criminosos se escondessem e facilitaria uma nova ação deles.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]