i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
índios

Documentário criou polêmica internacional

  • 22/11/2009 21:09

"Não matem nossas crianças"

Indígena por parte de pai, Sandra Terena ouvia-o desde pequena falar sobre a prática do infanticídio em diferentes aldeias do país, mas só se deu conta da gravidade do assunto já adulta. Quando há quase dois anos uma ONG brasileira e uma entidade evangélica dos Estados Unidos causaram furor internacional com um docudrama sobre a morte de crianças nas tribos amazônicas, Sandra já produzia seu próprio filme.

Leia a matéria completa

Há um ano e meio uma ONG brasileira e uma organização evangélica norte-americana causaram uma discussão internacional ao produzir um misto de documentário e drama para uma campanha contra o infanticídio nas tribos da Amazônia. O vídeo enfureceu a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a Associação Brasileira de Antropologia (ABA) ao retratar a história de Hakani, menina da etnia Suruwaha, uma das tribos às margens do Rio Purus que ainda praticam o ritual. Hakani foi enterrada viva por não andar, devido ao hipertiroidismo. Salva pelo irmão, que, sozinho, cuidou dela por três anos na mata, ela acabou adotada por um casal de linguistas.

A Funai e a ABA ficaram incomodadas com a dramatização do documentário anunciado como "história verídica". Dirigido pelo cineasta americano David Cunnin­gham, o filme foi rodado nos arredores de Porto Velho (RO), numa fazenda da instituição Jovens com um ideal (Jocum), que atua na evangelização dos índios. A organização religiosa também financiou o projeto. Participaram índios de várias etnias, que trabalharam como atores, mediante pagamento de cachê. Os produtores usaram um enorme bolo de chocolate para simular a cova onde a menina seria enterrada. Com versões em português e inglês, o filme pode ser assistido no site www.hakani.org.

A Funai foi à Justiça, sem sucesso, para retirar o vídeo do site YouTube por entender que o conteúdo denigre a imagem das mais de 220 etnias brasileiras, e por temer a generalização equivocada de uma tradição indígena. Responsável pela tutela dos índios, a entidade reconhece a prática do infanticídio, mas assegura que ela não acontece em todas as etnias. Segundo a Funai, a adoção de crianças doentes por outras famílias é uma das alternativas já em uso nas tribos que ainda adotam o infanticídio. (MK)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.