i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
indiciados

Dois bombeiros são suspeitos de fraudar prova após incêndio na Kiss

Polícia entregou nesta sexta-feira (22) o inquérito à Justiça. Dezesseis pessoas foram indiciadas

  • PorFolhaPress
  • 22/03/2013 15:01

Dois dos 16 indiciados pela Polícia Civil do Rio Grande do Sul no incêndio da boate Kiss são bombeiros suspeitos de, após a tragédia, alterar provas relativas às licenças da casa noturna. O delegado Marcelo Arigony, que comandou a investigação, considerou que houve "fraude processual".

Os suspeitos são o major Gerson da Rosa Pereira e o sargento Renan Severo Berleze. "Tivemos indícios nos autos, confirmados, de que alguns documentos que não estavam com os bombeiros foram inclusive autenticados e colocados, inseridos [nos arquivos de licenças da boate]", disse o delegado.

A reportagem procurou em Porto Alegre o comando dos Bombeiros, que afirmou, por meio de sua assessoria, que ainda está se informando sobre as conclusões do inquérito.

A polícia considerou que outros bombeiros também agiram de maneira indevida no caso, mas decidiu remeter esses termos do inquérito ao Tribunal da Justiça Militar, responsável por julgar crimes relativos à corporação no Rio Grande do Sul.

Inquérito

O anúncio dos resultados da investigação ocorreu na tarde de hoje em um auditório da Universidade Federal de Santa Maria. O ato tem acesso restrito à imprensa, mas familiares de vítimas foram à frente do prédio protestar por punições com cartazes.

Apesar de apenas 16 serem indiciados, a polícia concluiu que há a responsabilidade de 35 pessoas, incluindo o prefeito Cezar Schirmer (PMDB), que não foi indiciado devido ao foro privilegiado. O inquérito será remetido ao Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul para que seja avaliado o envolvimento do prefeito.

A investigação começou em 27 de janeiro, o dia do incêndio, e teve a sua conclusão adiada em diversas ocasiões. É possível que a polícia inicie novos inquéritos para apurar questões que acabaram de fora desta etapa. Centenas de pessoas foram ouvidas, incluindo sobreviventes, fiscais do município, o prefeito Cezar Schirmer (PMDB) e bombeiros.

A íntegra do inquérito soma 52 volumes e 13 mil páginas. Um vídeo obtido do celular de uma das vítimas mostrando o início do incêndio foi exibido na apresentação pela Polícia Civil.

Incêndio

O incêndio ocorreu no dia 27 de janeiro e provocou 241 mortes. Centenas de sobreviventes ficaram feridos, incluindo cerca de 140 que precisaram ser hospitalizados.

O fogo começou por volta das 3h, quando um integrante da banda Gurizada Fandangueira, que fazia um show no local, acendeu um artefato pirotécnico. Faíscas atingiram uma espuma usada como revestimento acústico, que começou a queimar. Uma espessa fumaça preta tomou conta de todo o ambiente da casa noturna em poucos minutos, intoxicando os frequentadores.

Desde o dia seguinte à tragédia, estão presos os sócios da boate Mauro Hoffmann e Elissandro Spohr, o vocalista da banda Marcelo Jesus dos Santos e o produtor Luciano Bonilha Leão.

O inquérito será levado ao Ministério Público, que vai analisar as provas e decidir se denuncia (acusa formalmente) os suspeitos à Justiça.

Veja a lista de indiciados:

Indiciados sob suspeita de homicídio doloso qualificado:

- Marcelo de Jesus dos Santos - vocalista da banda Gurizada Fandangueira- Luciano Augusto Bonilha Leão - produtor- Elissandro Callegaro Spohr (Kiko) - sócio da boate Kiss- Mauro Londero Hoffman - sócio da boate Kiss- Ricardo de Castro Pasche - gerente da boate ou ex-sócio- Ângela Aurelia Callegaro - irmã de Kiko- Marlene Teresinha Callegaro - mãe de Kiko

Indiciados sob suspeita de homicídio com dolo eventual:

- Gilson Martins Dias - bombeiro que vistoriou a boate antes do incêndio- Vagner Guimarães Coelho - bombeiro que vistoriou a boate antes do incêndio

Indiciados sob suspeita de homicídio culposo:

- Miguel Caetano Passini - secretário de Mobilidade Urbana de Santa Maria- Luiz Alberto Carvalho Júnior - secretário de Meio Ambiente de Santa Maria- Beloyannes Orengo de Pietro Júnior - chefe da fiscalização da pasta de Mobilidade Urbana- Marcus Vinícius Bittencourt Biermann - funcionário da secretaria de Finanças que deu o alvará de localização da boate

Indiciados sob suspeita de fraude processual (alterar provas):

- Gerson da Rosa Pereira - bombeiro; segundo a polícia, ele incluiu documentos na pasta referente ao alvará da boate- Renan Severo Berleza - bombeiro; segundo a polícia, ele incluiu documentos na pasta referente ao alvará da boate

Indiciado sob suspeita de falso testemunho:- Elton Cristiano Uroda - ex-dono da boate Kiss

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.