i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
nova lei em curitiba

Doula, para que te quero? Entenda mais sobre o papel da profissão

Veja até onde a profissional - que agora tem presença garantida por lei em salas de parto

  • PorCarolina Pompeo
  • 16/03/2016 15:07
 | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
| Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

A aprovação de projeto de lei municipal que obriga maternidades de Curitiba a permitir a entrada e atuação de doulas reacendeu a discussão sobre o papel dessas profissionais.

A Gazeta do Povo conversou com a doula Helenice Vespasiano, 32 anos, representante do grupo de doulas de Curitiba que agora se mobiliza para a criação de uma associação da categoria, sobre as competências e os limites de atuação dessa profissional ainda um tanto incompreendida, a quem cabe amparar as gestantes antes, durante e depois do parto.

Onde encontrar

Grupos de gestantes, yoga, preparação emocional, física e psicológica – as doulas trabalham com todos estes aspectos. Confira os grupos que atuam com o serviço em Curitiba:

•Nascer com respeito: fundado há sete anos por Patricia Bortolotto, é o primeiro grupo de doulas da cidade. www.nascercomrespeito.com.br

•Centro de Parto Ativo: grupo de Talia de Souza e Inês Monson. www.centrodepartoativo.com.br

•Casa Mãe: reúne doulas e outras profissionais da terapia. www.casamae.com.br

•Doulas Brasil: possui um cadastro de doulas em todo o Brasil. www.doulas.com.br/index.php

O que a doula pode fazer?

A Classificação Brasileira de Ocupações reconheceu a profissão de doula recentemente, dentro da categoria “Tecnólogos e técnicos em terapias complementares e estéticas”. Na descrição consta que essas profissionais aplicam procedimentos estéticos e terapêuticos manipulativos, energéticos, vibracionais e não farmacêuticos. “No caso das doulas, visam prestar suporte contínuo à gestante durante a gravidez e puerpério, favorecendo a evolução do parto e bem-estar da gestante”, diz o texto.

Assim, o trabalho da doula consiste em oferecer informações, suporte emocional e físico de preparação para o parto e orientação para o desenvolvimento do vínculo com o bebê e do papel de mãe. “A profissão aborda a gestação, o parto e o pós-parto de forma mais subjetiva, com o objetivo de fortalecer a mulher, de ajudá-la a passar pela gravidez com segurança e tranquilidade”, destaca Helenice, que é doula há três anos.

Além de informações e apoio emocional, as doulas também podem aplicar métodos terapêuticos não farmacológicos para o alívio de dor e desconforto e fortalecimento físico da gestante, como massagens e exercícios de relaxamento e fortalecimento muscular e orientações sobre posições mais confortáveis.

Helenice explica que essas recomendações variam conforme a formação complementar da doula – algumas são massoterapeutas e fisioterapeutas, outras são profissionais da área da saúde. “A formação complementar de cada doula traz novos elementos para o trabalho como doula.”

O que a doula não pode fazer?

As doulas não possuem competência técnica para atender parto, ou seja, não atuam como parteiras. Doulas também não podem realizar exames, auscultar o bebê, administrar medicamentos ou aferir a pressão da gestante. Também não cabe à doula intervir no diagnóstico ou procedimentos realizados durante o parto.

CRM-PR defende formação em saúde obrigatória

Consultado pela reportagem, o Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR) se posicionou favorável à atuação das doulas durante a gestação, parto e pós-parto, mas contrário à obrigatoriedade da presença dessas profissionais, a exemplo da posição da Associação de Ginecologia e Obstetrícia do Paraná (Sogipa) e da entidade representativa das maternidades e hospitais (Fehospar).

“O CRM é solidário ao acompanhamento às parturientes por pessoas qualificadas no apoio humanizado. O conselho entende que a finalidade única do ato da doula é o de intermediar o relacionamento da gestante e familiares com a equipe médica. Contudo, a presença não pode ser obrigatória e tampouco pode haver interferência sobre a atuação técnica ou decisões do médico, preservando sua autonomia.”

Outro ponto de discordância do CRM-PR em relação ao projeto aprovado pelos vereadores de Curitiba é a dispensa de formação na área de saúde para as doulas.

“O projeto de lei peca neste detalhe. Tendo como prioridades a qualidade da assistência e a segurança de mãe e bebê, é de se exigir conhecimento técnico específico da doula, já que a sua permanência pode comprometer o atendimento à parturiente.”

“O papel da doula é informar a mulher durante a gestação e antes do parto. Por isso fazemos plano de parto e orientamos as gestantes a conversar abertamente com o obstetra. Se houver divergência no momento do parto, não cabe à doula, mas sim à gestante, conversar e questionar a equipe médica”, esclarece Helenice.

Doulas precisam de formação na área da saúde?

A questão gera conflitos. Médicos e hospitais pediram que a formação específica na área da sáude fosse exigência da nova lei, mas o pedido foi rejeitado. Doulas, no entanto, defendem que a formação específica não é necessária uma vez que essas profissionais não possuem competências que exijam esse tipo de especialização.

“A doula precisa ter conhecimento básico sobre a gestação e o parto, mas não precisa ter conhecimento técnico especializado porque não vai interferir nesse sentido. No decorrer da gravidez e na cena do parto, há outros profissionais com competência para tratar dos aspectos físicos e fisiológicos, para fazer exames e indicar medicamentos, para garantir a segurança do parto e do bebê logo após o nascimento. A doula cuida da saúde emocional da mulher”, argumenta Helenice.

Quanto custa para contratar uma doula?

O valor dos serviços oferecidos por uma doula não é tabelado e varia conforme a experiência e formação complementar da profissional. A gestante também pode definir a frequência do acompanhamento – durante toda a gestação e puerpério, apenas durante o parto etc. Em média, o custo de uma doula varia entre R$ 800 e R$ 1,5 mil.

O que a gestante precisa saber antes de contratar uma doula?

Recomenda-se que as gestantes verifiquem se a profissional possui formação específica de doula – requisito exigido pela nova lei para que as doulas possam fazer cadastro nas maternidades.

“A mulher deve se informar sobre o trabalho realizado com outras gestantes, buscar por referências e checar a formação complementar. É como com qualquer outro profissional”, explica Helenice.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.