i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Patrimônio público

Pichação não perdoa nem obras de arte

Limpeza de monumentos públicos custa caro e é difícil porque exige cuidados especiais

  • PorOsny Tavares
  • 14/09/2013 21:07
Em prédios históricos, como o Belvedere, não é possível passar uma simples demão de tinta | Aniele Nascimento/ Gazeta do Povo
Em prédios históricos, como o Belvedere, não é possível passar uma simples demão de tinta| Foto: Aniele Nascimento/ Gazeta do Povo

Comportamento

Monumentos ficam fora do código que respeita manifestações artísticas

Existe um código de honra entre os pichadores que proíbe inscrições sobre as de colegas. Para eles, o próprio ato é uma "manifestação artística", que não poderia ser maculada. Mas a regra parece não valer para outros estilos de arte, como os monumentos públicos. O grafiteiro Michael Devis, 28 anos, acredita que o pichador não reconhece a legitimidade das obras atacadas. "Ele entende que é uma obra de arte, mas questiona o porquê daquela homenagem naquele espaço", analisa o artista, que é coautor do retrato de Paulo Leminski na Galeria Julio Moreira, no Largo da Ordem. Pichador no início da adolescência, ele rechaça as ações de vandalismo. "É um alvo fácil. Só que os pichadores mais ousados vão buscar lugares de difícil acesso, como o topo de prédios."

Denuncie

Quando souber de casos de pichação, ligue para o telefone 153.

O Barão do Rio Branco nada conseguiu fazer, estático, no meio da Praça Generoso Marques, no Centro de Curitiba. O casal da 19 de dezembro, nu em pedra, está ainda mais vulnerável. Estátuas, painéis e obras de arte em vias públicas são alvos frequentes da ação de pichadores. Entre as diversas ocorrências que a Guarda Municipal atendeu em 2013 estão estragos no Museu Metropolitano de Arte (Muma), no Portão, no Teatro Paiol, no Prado Velho, e no Bondinho da Rua das Flores, no Centro. A Secretaria Municipal do Meio Ambiente, apesar de não manter registro dos casos identificados, coloca a pichação de estátuas como uma das principais demandas da equipe de manutenção.

O número de ocorrências é menor se comparado a terminais e estações-tubo, escolas e creches. Porém, o tempo gasto na limpeza de um monumento é maior. A remoção do picho exige trabalho minucioso, específico para obras de arte. "Cada material precisa de um removedor específico. Chamamos um expert da Fundação Cultural para trabalhar junto", conta José Eduardo Conter, gerente de manutenção de praças, parques e logradouros públicos da Secretaria do Meio Ambiente.

Em um trabalho recente na Praça 19 de Dezembro, a equipe da prefeitura precisou de três dias para retirar inscrições do painel de azulejos de Poty Lazarotto. Eram símbolos grandes pintados de alto a baixo da obra, de aproximadamente sete metros de altura. Foram gastos 10 litros de removedor, aplicados com escova de aço, esponja e lavadora de alta pressão. "É preciso ir limpando devagar e verificar como está reagindo. Se não, corremos o risco de acabar estragando a obra", ressalta Conter.

A placa de bronze na estátua do Barão do Rio Branco, na praça Generoso Marques, não é mais o que era. O departamento de conservação da prefeitura acredita que alguém tentou remover uma pichação e, ao aplicar um produto químico, alterou a cor do bronze. A pichação saiu, mas ficou um tom amarelado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.