i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
O papa no Brasil

Político até quando não parece

Ao reforçar o protagonismo do indivíduo e a solidariedade do povo, Francisco adota tom altamente político em seus discursos

  • PorMarcio Antonio Campos
  • 27/07/2013 21:08
Papa abençoa indígena durante evento, ontem, no Teatro Municipal do Rio | Danilo Verpa/Folhapress
Papa abençoa indígena durante evento, ontem, no Teatro Municipal do Rio| Foto: Danilo Verpa/Folhapress

"Vem pra urna"

Francisco pede participação de bons cristãos na política

Em Varginha, o papa fez um apelo aos jovens para que não deixem a corrupção acabar com a esperança de mudanças. "Também para vocês e para todas as pessoas repito: nunca desanimem, não percam a confiança, não deixem que se apague a esperança. A realidade pode mudar, o homem pode mudar. Procurem ser vocês os primeiros a praticar o bem, a não se acostumarem ao mal, mas a vencê-lo", disse. No início de junho, em Roma, Francisco fez um apelo ainda mais explícito aos jovens cristãos: que se envolvessem na política.

Respondendo à pergunta de um jovem durante uma audiência, o papa afirmou que "envolver-se na política é uma obrigação para um cristão. Nós não podemos fazer como Pilatos e lavar as mãos". Disse, ainda, que "devemos participar na vida política porque a política é uma das formas mais altas da caridade, porque busca o bem comum. E os leigos cristãos devem trabalhar na política", acrescentando que "a política é muito suja", mas só é assim "porque os cristãos não estão revestidos do espírito evangélico".

"Quando se prepara um bom prato e vê que falta sal, você então bota o sal; falta azeite, bota o azeite... Bote fé e a vida terá um sabor novo."

Segundo discurso em Copacabana, na missa de acolhida da Jornada Mundial da Juventude.

"A juventude é a janela pela qual o futuro entra no mundo e, por isso, nos impõe grandes desafios. A nossa geração se demonstrará à altura da promessa contida em cada jovem quando souber abrir-lhe espaço; tutelar as condições materiais e imateriais para o seu pleno desenvolvimento; oferecer a ele fundamentos sólidos, sobre os quais construir a vida."

Primeira fala, no Palácio da Guanabara.

"Deixar-se surpreender por Deus. Quem é homem e mulher de esperança – a grande esperança que a fé nos dá – sabe que, mesmo em meio às dificuldades, Deus atua e nos surpreende. A história deste Santuário serve de exemplo: três pescadores, depois de um dia sem conseguir apanhar peixes, nas águas do Rio Paraíba, encontram algo inesperado: uma imagem de Nossa Senhora da Conceição."

Homilia da missa no Santuário de Aparecida.

"Peço um favor. Com jeitinho. Rezem por mim. Eu preciso. Que Deus os abençoe. E até 2017, quando voltarei."

Em Aparecida.

"Como os avós são importantes na vida da família, para comunicar o patrimônio de humanidade e de fé que é essencial para qualquer sociedade! E como é importante o encontro e o diálogo entre as gerações."

Discurso antes da oração do Angelus.

"Vocês, queridos jovens, têm uma sensibilidade especial frente às injustiças, mas muitas vezes se desiludem com notícias que falam de corrupção, com pessoas que, em vez de buscar o bem comum, procuram o seu próprio benefício. Também para vocês e todas as pessoas repito: nunca desanimem."

Discurso em Varginha.

Para quem esperava um forte conteúdo social nas palavras do papa Francisco, o pontífice pode até soar pouco político em suas falas no Rio de Janeiro. Mas, para o professor Francisco Borba Ribeiro Neto, coordenador do Núcleo de Fé e Cultura da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), o discurso do santo padre vem sendo, sim, altamente político. "Nós é que entendemos errado a política, nos acostumamos a vê-la como a mera atitude reivindicatória. As palavras de Francisco remetem a um contexto em que a grande contribuição política está na criação de uma unidade popular para se contrapor ao poder do dinheiro e ao poder do Estado. Por isso o papa privilegia o papel do indivíduo e da solidariedade que une o povo", explica. Em Varginha, comunidade do subúrbio do Rio, por exemplo, Francisco pediu que "cada um, na medida das próprias possibilidades e responsabilidades, saiba dar a sua contribuição para acabar com tantas injustiças sociais", sem jogar toda a responsabilidade para o poder público.

Borba acrescenta que, com seu discurso, Francisco recupera o pobre como elemento de conversão para a Igreja. "Não pelo mero fato de ser pobre, como se fosse uma figura sociológica, mas por ele viver uma experiência de solidariedade e despojamento dos bens materiais com a qual a Igreja pode aprender", explica.

Parte dessa experiência se manifesta na religiosidade popular, que vai muito além das práticas populares de piedade que Francisco também fomenta. "O ‘colocar água no feijão’ de que o papa fala, por exemplo, é uma profunda manifestação de religiosidade popular: é a atitude de quem confia na providência divina, de quem sabe que Deus cuida de cada um", exemplifica. Isso distancia o papa do discurso tradicional da Teologia da Libertação, que abre pouco espaço para a espiritualidade.

Valores

O que também afasta o papa dos teólogos da libertação é sua ênfase no fato de que os valores de justiça social são pouco efetivos se dissociados dos valores cristãos. "Para horror da Teologia da Libertação, a cada vez que o papa nos lembra a necessidade de exercer a caridade física, ele faz questão de lembrar que ela não é um fim em si. Nas palavras do papa em Varginha, ‘certamente é necessário dar pão a quem tem fome; é um ato de justiça. Mas existe também uma fome mais profunda, a fome de uma felicidade que só Deus pode saciar’", afirma o professor Carlos Ramalhete, colunista da Gazeta do Povo e que, durante a JMJ, participou como debatedor do DSI Talks, um evento dedicado à Doutrina Social da Igreja. Em Varginha, antes de citar saúde, educação e segurança, Francisco colocou entre os "pilares fundamentais que sustentam uma nação" a defesa da vida e da família.

Pobreza espiritual

O tema não é novo para Francisco: logo após sua eleição, discursando aos embaixadores de diversos países, ele afirmou que "há ainda outra pobreza: é a pobreza espiritual dos nossos dias, que afeta gravemente também os países considerados mais ricos". Na mesma linha está o mote da "Igreja como ONG piedosa", que Francisco retomou no Rio. "Mas existe uma diferença sutil: na sua primeira missa como papa, ele falou que a Igreja não pode perder a dimensão espiritual, quando afirmou que ‘se nós não professarmos Jesus Cristo, nos converteremos em uma ONG piedosa, não na esposa do Senhor’. Agora, falando aos argentinos na Jornada, disse que ‘as paróquias, as instituições foram feitas para sair. Se não saem, viram uma ONG’. Ou seja, se eu não professar Cristo para o outro, não conseguirei professá-lo para mim mesmo", compara Borba.

"O papa veio lembrar à juventude que cada cristão é chamado a levar Cristo ao próximo, a não enterrar seus talentos. Ao falar a seus compatriotas, ele resumiu seu ‘programa’ às bem-aventuranças e no capítulo 25 do Evangelho de São Mateus (a "parábola dos talentos"), que ele disse ser ‘o protocolo com que nos julgarão’", acrescenta Ramalhete.

Falas indicam continuidade

As intervenções de Fran­cisco também servem para deixar claro que não existe ruptura entre seu magistério e o dos antecessores, afirma Francisco Borba, da PUC-SP. "O que mudou é a recepção do discurso, por causa do apelo popular de Francisco. Mas o que ele transmite representa uma continuidade dos papados anteriores", diz. A importância dos valores cristãos na construção de uma cultura que valorize integralmente a pessoa humana, por exemplo, era um tema muito caro a Bento XVI.

O professor Carlos Ra­malhete ressalta outra chave de continuidade: "o clericalismo vem sendo um dos alvos principais do papa. Criou-se o péssimo hábito de ter clérigos no mundo, cantando na tevê, fazendo política e pronunciando-se sobre todo tipo de questão imanente, enquanto os leigos lotam os presbitérios e as sacristias. O papa nos chama a fazer o contrário, devolvendo a cada um o que é de direito: os leigos devem agir no mundo e os clérigos, nas sacristias e presbitérios", explica.

"João Paulo II e Bento XVI já trabalharam neste sentido. O papa Francisco, no entanto, tem uma vantagem que eles não tinham: ele é latino-americano e conhece o nosso clero; já trabalhou com eles, já teve de lidar com os ‘libertadores’ que tentam há décadas fazer da Igreja um partido político", acrescenta.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.