Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida e Cidadania
  3. Especiais
  4. Litoral
  5. Energia que vem do subterrâneo

Atração turística

Energia que vem do subterrâneo

Encravada na Serra do Mar, usina hidrelétrica em Antonina produz energia em uma construção incomum, aberta aos visitantes

  • Carolina Gabardo Belo, especial para a Gazeta do Povo
Tubulação leva agua da represa do Capivari até as turbinas, construídas no subterrâneo da Serra do Mar |
Tubulação leva agua da represa do Capivari até as turbinas, construídas no subterrâneo da Serra do Mar
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Energia que vem do subterrâneo

A Usina Hidrelétrica Pedro Viriato Parigot de Souza, em Antonina, é um passeio inusitado para quem está acostumado com roteiros convencionais no litoral paranaense. Diferente de qualquer outra atração da região, a usina da Copel é pouco visitada e está instalada em cavernas criadas nos subterrâneos da Serra do Mar.

Além da localização, a estrutura e o funcionamento da usina são uma atração à parte. Criada na década de 70, ela utiliza a água do Rio Capivari, que fica represada na região de Curitiba (a 830 metros acima do nível do mar) e chega a Antonina por um túnel escavado no meio da serra.

A peculiaridade do roteiro começa no caminho que leva a todo o maquinário da usina. É preciso seguir de carro por um túnel com 1,1 km de extensão e desnível de 105 metros, que possui iluminação discreta. No percurso, grandes pedaços de rocha ficam aparentes, além dos cabos de alta tensão que, devidamente isolados, conduzem a energia até a subestação localizada do lado de fora. A sensação claustrofóbica despertada no túnel acaba assim que se chega à usina. Com iluminação branca, o ambiente não parece estar debaixo da terra.

No interior das cavernas, o visitante acompanha todo o trajeto que a água faz para ser usada na geração de energia. É possível sentir a passagem da água pela tubulação ao tocar nos grandes tubos, que, mesmo com vários metros de diâmetro, estremecem constantemente.

A imagem mais característica da usina pode ser vista da sala de comando: os quatro geradores que rodam a 514 rotações por minuto (RPM). “A energia do gerador passa para os transformadores, que elevam sua potência. Depois disso, na subestação a céu aberto, outros transformadores reduzem a tensão para o consumo residencial ou industrial”, explica o assistente técnico de operações Luiz Carlos Zeni.

O tour pela usina não é válido apenas para estudantes do ensino regular e alunos dos cursos de engenharia. É uma oportunidade para o cidadão comum conhecer todo o processo de geração de energia. “A pessoa, na sua casa, olha para este benefício na lâmpada ou na televisão, por exemplo, e sabe como chegou até ali. É possível conhecer toda a cadeia de produção, ver quantos profissionais e quanta tecnologia é envolvida”, explica a supervisora administrativa da usina, Elaine Broska Martins.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE