i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Natureza

Relíquias em sambaquis

Estruturas de cascas de moluscos revelam como eram a vida e a rotina dos índios paranaenses, há 10 mil anos

  • PorCarolina Gabardo Belo, especial para a Gazeta do Povo
  • 25/08/2011 21:20
 | Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo
| Foto: Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo

Achados

Estruturas revelam estilo de vida

As pesquisas nas estruturas dos sambaquis revelam inúmeros objetos e rituais das comunidades. Restos mortais, alimentos, adornos, esculturas com formas de animais típicos da costa litorânea e outras peças entre as conchas, fazem parte da história deixada pelas populações.

Os rituais de sepultamentos são alguns dos mais estudados. A posição dos corpos e os adereços próximos a eles indicam o sexo do habitante que foi enterrado. Os homens eram sepultados de lado, com sua rede e seu machado juntos ao corpo. Mulheres e crianças eram envolvidas em mantos de penas trançadas.

"Temos muito o que aprender com a relação entre a natureza e as populações, que exploravam os recursos, sem destruí-los. A organização social dos grupos também mostra poucos registros de violência, além do respeito às mulheres e às crianças", pontua a arqueóloga Cláudia Inês Parellada.

Para o arqueólogo da Universidade Federal do Paraná, Igor Chmyz, a relação com a natureza também é um dos principais pontos de destaque das populações que habitavam os sambaquis. "As comunidades são uma riquíssima mostra de como o ser humano reagiu ao ambiente em que vivia e como tinha tecnologia, organização para isso". Ele caracteriza os sítios como uma espécie de bibliotecas. "São repositórios de dados e os sambaquis são os únicos exemplares da história", define.

Serviço:

A prefeitura de Pontal do Paraná realiza roteiros para o sambaqui de Guaraguaçu. As visitas podem ser agendadas pelo telefone (41) 3975-3102.

  • Estruturas formadas por conchas de moluscos ajudavam na proteção das comunidades indígenas, como o sambaqui de Guaraguaçu
  • Forno de caieiras, próximo ao sambaqui de Guaraguaçu: material era queimado para produção de cal e argamassa, usadas nas edificações das cidades litorâneas
  • Artefatos achados nos sambaquis contam como era a rotina dos índios do litoral
  • Utensílios foram encontrados nas estruturas formadas ao longo da faixa litorânea

Comunidades que habitaram o litoral paranaense há cerca de 10 mil anos, deixaram parte de suas histórias guardadas em pelo menos 340 sambaquis, sítios arqueológicos formados por cascas de moluscos, que estão espalhados por todos os municípios da região. Mais do que um simples amontoado de conchas, tais estruturas ajudam a contar como foi a evolução do estado por meio da moradia, da alimentação e dos rituais religiosos de nossos antecessores.

SLIDESHOW: Veja mais fotos dos sambaquis no litoral do Paraná

As grandes montanhas – algumas passam dos 30 metros de altura – localizadas próximas aos rios e às baías logo chamaram a atenção dos europeus no período de colonização, durante o século 16. A curiosidade estendeu-se até meados do século 20, quando foram realizados os primeiros estudos de especialistas. As dúvidas eram referentes à formação natural dos sambaquis ou se eles foram criados pelas próprias comunidades, que utilizaram os restos dos alimentos que vinham das águas. "A criação pode não ter sido intencional, mas facilitou muito a vida dos habitantes. A elevação do sambaqui era estratégica para a visualização do inimigo, possibilitava a ventilação e afastava os insetos", afirma a técnica do setor de arqueologia do Instituto do Patri­mônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no Paraná, Alessandra Spitz.

Os estudos revelaram comunidades complexas e numerosas, devido ao número de sepultamentos nos sambaquis (com grande potencial de preservação devido ao cálcio das conchas). "A população tinha consciência ambiental, pois sabia que a quantidade de alimento do local supria determinado número de pessoas. Quando ocorria a escassez de recursos, os habitantes iam para outro lugar", explica Alessandra. A oscilação no nível do mar que, com o passar dos anos, recua e avança pela costa, também contribuiu com a movimentação das comunidades pelo litoral. Este fator leva os estudiosos a acreditarem que os sambaquis mais antigos estejam submersos.

Protegidos

A legislação federal impedindo que os sambaquis sejam devastados, só entrou em vigor em 1961, mas não evitou que muitos sítios desaparecessem. Durante a colonização do estado, as estruturas foram utilizadas na construção das cidades históricas como Paranaguá e Morretes, em que as conchas eram queimadas para a produção de cal e argamassa. A poucos metros do sambaqui de Guaraguaçu, em Pontal do Paraná, ainda há a estrutura do forno de caieiras, que abasteceu a produção de cal das edificações parnanguaras. Séculos depois da construção das cidades, as rodovias estaduais do litoral também foram pavimentadas com sambaquis.

Apesar da legislação vigente, a falta de fiscalização e o tamanho do território do litoral paranaense, onde os sambaquis estão localizados, dificultam a integridade dos sítios. Visitantes sobem nas estruturas ou levam parte do material para casa. A construção de obras em locais onde estão os sambaquis contribui para a devastação. Muitas estrutras não são sequer notificadas.

Para evitar novas perdas, o Iphan investe na educação patrimonial junto às comunidades e conta com o apoio de pessoas que informam os achados. Os municípios e pesquisadores também reforçam fundamental a realização de visitas apenas com acompanhamento especializado e, para evitar mais depredação, dificilmente divulgam a localização dos sambaquis.

Outro fator que também prejudica a manutenção dos sítios é a falta de estudos na área. O último levantamento estadual indica sambaquis "com boas condições em 1949", sem atualização. "É uma vergonha", avalia a arqueóloga do Museu Paranaense, Cláudia Inês Parellada, que está à frente de um novo levantamento. Porém, ao mesmo tempo em que o grande território impede maior fiscalização das ações contra os sítios históricos, a arqueóloga acredita que muitos sambaquis ainda serão descobertos. Ela prevê, confiante, que nos próximos 20 anos serão 500 sítios paranaenses cadastrados, mas que só serão mantidos com a colaboração da comunidade na sua preservação.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.