i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Gestação de risco

Morte infantil dobra entre índios

Taxa de 12 óbitos por mil nascidos vivos no Paraná sobe para 25 na população indígena, como na reserva guarani de Chopinzinho

  • PorBruna Maestri Walter, enviada especial
  • 27/12/2011 21:07
Isaura teve dois dos cinco filhos em casa, ganhou experiência e se tornou parteira na comunidade indígena guarani de Chopinzinho | Hugo Harada/ Gazeta do Povo
Isaura teve dois dos cinco filhos em casa, ganhou experiência e se tornou parteira na comunidade indígena guarani de Chopinzinho| Foto: Hugo Harada/ Gazeta do Povo
 |

Pastoral precisa de mais voluntários

Chopinzinho está entre os municípios que não de­­vem atingir até 2015 a meta de redução de dois ter­ços da mortalidade na infância, segundo o Observa­tó­rio dos Indicadores de Sustentabilidade. A cidade regis­­trou oito mortes de menores de cinco anos a cada mil nascidos vivos em 1990, índice que subiu para 35, em 2009. A coordenadora paroquial da Pasto­ral da Crian­ça de Chopinzinho, Eva Conceição, aponta que a pobreza influencia nos indicadores. Nos trabalhos em comunidades carentes e indígenas, ela observa muitas adolescentes grávidas e, em alguns casos, baixa higiene. É preciso que mais pessoas participem da pastoral, já que alguns bairros ficam desassistidos.

A secretária municipal da Saúde de Chopinzinho, Ivete Maria Lorenzi, afirma que as gestantes têm acesso ao pré-natal, com busca ativa das que faltam nas consultas, e que a cobertura do Programa Saúde da Família é de 100% na cidade, com prioridade para o atendimento à gestante e à criança.

De acordo do Ivete, em 2011 foram registrados cinco mortes infantis, taxa de 19,6 óbitos por mil nascidos vivos. Segundo ela, os cinco óbitos foram avaliados e classificados pelo Comitê Municipal de Prevenção de Mortalidade Materna e Infantil como inevitáveis. Nenhum deles foi registrado entre indígenas, ao contrário de anos anteriores. (BMW)

Transição

Situação nas aldeias se agrava no final do ano

O atendimento de saúde dos indígenas ficou prejudicado no final deste ano, quando foram paralisadas as atividades nas reservas em várias partes do Brasil. O motivo foi a transição do atendimento da saúde indígena da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) para o Ministério da Saúde. Os convênios foram encerrados no dia 30 de outubro e, até a situação se normalizar, os índios ficaram sem atendimento.

O chefe do Distrito Sanitário Especial Indígena do Litoral Sul, Paulo dos Santos Camargo, afirma que a previsão é regularizar os serviços até o dia 31 deste mês e "começar o ano com tudo praticamente resolvido". Segundo ele, a contratação de pessoal está praticamente finalizada e a parte mais complicada a ser concluída é a aquisição de insumos, como medicamentos e produtos alimentícios.

Óbitos

Com relação à mortalidade infantil, Camargo aponta que a maioria dos óbitos acontece fora das aldeias. Ele completa que nas aldeias as equipes de saúde fazem o acompanhamento, respeitando as tradições indígenas, e que a comunidade de Chopinzinho não está entre as áreas mais preocupantes. (BMW)

Gravidez entre adolescentes, mães com poucos anos de estudo, baixa procura por atendimento mé­­dico e partos feitos em casa são algumas das situações de risco que podem ser observadas na comunidade indígena guarani em Cho­pin­­zinho, no Sudoeste do Paraná. A realidade, que não é exclusiva des­­ta localidade, mostra alguns dos de­­safios para a diminuição da mor­­talidade infantil no estado. Para se ter uma ideia, a taxa parana­­ense de 12 mortes de crianças de até um ano por mil nascidos vivos sobe para 25 entre os negros e indígenas.

Pesquisando a mortalidade infantil de 2006 a 2010, percebe-se que os indicadores são influenciados por condições socioeconômicas e de raça. O índice de mortalidade infantil sobe para 22 mortes entre gestantes com até três anos de estudo e com menos de 21 anos de idade. E a taxa média paranaense dobra quando se analisa a realidade dos indígenas.

Grávida do sexto filho, a artesã guarani Silmira Alves, de 25 anos, por exemplo, disse ter vergonha de ir ao médico. Antes ela recebia suporte na reserva, mas, devido à interrupção temporária do convênio, em novembro foi em busca de atendimento no posto de saúde de Chopinzinho. Não conseguiu se comunicar e voltou sem marcar a consulta. Dos cinco primeiros filhos, teve dois em casa.

Na reserva é comum encontrar mulheres que já fizeram partos. "A gente ouve as pessoas mais adultas fa­­lar como é. Daí a gente aprende", diz a artesã guarani Isaura Fagun­des, de 28 anos. Ela fez o primeiro parto quando a vizinha estava em casa com contrações. Chovia e não havia condições de ir ao hospital. Isaura acabou fazendo o parto. Grávida do sexto filho, a artesã re­­conhece, no entanto, a importância do acompanhamento médico e prefere ter o bebê no hospital.

Riscos

Desnutrição, baixa higiene e rejeição a crianças com necessidades es­­peciais são outras situações de risco entre gestantes guaranis. Classificar esse potencial de risco em todo o Paraná está entre os objetivos das políticas públicas estaduais, aponta a superintendente da atenção primária da Se­­cretaria Estadual de Saúde, Márcia Huçulak. "Se a gente focar em grupos de risco, podemos mudar radicalmente esse indicador no Para­ná", diz. Previsto para ser lançado em abril de 2012, o programa Mãe Paranaense irá trabalhar a vigilância do óbito materno e infantil, acompanhar as futuras mães e trabalhar ações junto aos municípios.

Levantamento do Observatório dos Indicadores de Sustenta­bi­li­­dade (Orbis) de 2011 apontou que 60 municípios do estado dificilmente atingirão a meta de redução de dois terços da mortalidade de cri­­anças até cinco anos de idade até 2015. A meta faz parte dos Objeti­vos de Desenvolvimento do Milê­nio, acordo intermediado pela Or­­ga­­nização das Nações Unidas (ONU).

Os responsáveis pelos indicadores paranaenses fazem a ressalva de que o número é calculado a cada mil nascidos vivos e, dessa forma, uma morte pode causar um grande efeito na taxa como um todo nos municípios com menos habitantes. Nesse sentido, o levantamento serve mais como um alerta de que é preciso avançar na área em determinados municípios. "O estado atingiu 96% dessa meta. Temos mais quatro anos para fazer os outros 4%", afirma o coordenador do Orbis, Alby Rocha.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.