i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Desenvolvimento

No ‘buraco’, MST recria Rio Bonito

Assentamento começou com conflitos, mas logo começou a melhorar o perfil socioeconômico da cidade

  • PorRIO BONITO DO IGUAÇU - Bruna Maestri Walter, enviada especial
  • 05/12/2011 21:38
Werle se instalou com a família no assentamento e hoje tem renda mensal de R$ 10 mil | Fotos: Hugo Harada/ Gazeta do Povo
Werle se instalou com a família no assentamento e hoje tem renda mensal de R$ 10 mil| Foto: Fotos: Hugo Harada/ Gazeta do Povo

Cooperativismo

Meta é circulação interna do dinheiro

A próxima melhoria que as lideranças pretendem implantar nos assentamentos é a geração de renda pelo fortalecimento do cooperativismo. O objetivo é montar estabelecimentos que comercializem os produtos feitos na região, ofereçam melhores preços ao consumidor e façam o dinheiro circular no assentamento.

Em Rio Bonito do Iguaçu foi inaugurado recentemente o supermercado da Cooperativa Mista de Produção e Comercialização de Produtos da Reforma Agrária, que gera quatro empregos diretos.

"A cooperativa pega o produto dos assentados e oferece industrializado", afirma a gerente do mercado, Ivonete Aparecida Alvaristo. Na região estão sendo trabalhadas seis cooperativas, que envolvem as áreas de agroecologia, crédito, agroveterinária, laticínios, produtos orgânicos, construção e habitação.

O cooperativismo tem sido incentivado em diversos assentamentos. Na cidade de Laranjeiras do Sul, por exemplo, foi financiado pelo Incra o curso de Tecnologia em Gestão de Cooperativas. Também no Paraná há várias iniciativas de cooperativismo que se destacam, como a Cooperativa de Comercialização da Reforma Agrária Avante. Implantada em 1998 no Assentamento Pontal do Tigre, em Querência do Norte, a cooperativa comercializa produtos industrializados, como queijos, manteiga e iogurte. Outra ação de referência, segundo o Incra, é a do assentamento Santa Maria, em Paranacity, na Região Noroeste, que abriga a Cooperativa de Produção Agropecuária Vitória, com uma receita bruta em torno de R$ 715 mil ao ano.

  • Ivonete e os funcionários do mercado da cooperativa que industrializa os produtos do assentamento

A área conhecida como "buraco" trouxe uma nova realidade à cidade de Rio Bonito do Iguaçu, no Centro-Sul paranaense. De incômodas no início, as pessoas que lá viviam passariam a ser vistas anos mais tarde como responsáveis pelo crescimento da cidade, aumentando a população, criando empregos e movimentando o comércio.Era no "buraco" que ficavam acampados em 1996 os membros do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) que reivindicavam a desapropriação da fazenda Giacomet-Marodim, também conhecida como Araupel. O nú­­mero de famílias na área chegou a 3 mil e o acampamento se tornou o maior do Sul do Brasil. "Tínhamos 5 mil pessoas em Rio Bonito e entraram 10 mil. De repente amanhecemos com 15 mil habitantes", lembra o prefeito Sezar Bovino sobre as dificuldades no início da ocupação.

Após uma onda de violência que culminou na morte de dois membros dos sem-terra, a área foi desapropriada em 1998 e foram alocadas 1,5 mil famílias em três as­­sentamentos. Nasciam ali a "no­­va" Rio Bonito, como hoje é po­­pularmente conhecida essa região, e mais desafios. Era preciso abrir es­­tradas, construir escolas, organizar linhas de transporte escolar e levar energia elétrica a todos, além de outras demandas urbanas. Segun­do o prefeito, o trabalho de melhoria da infraestrutura, iniciado em 1996, deve ser concluído até o fim do primeiro semestre de 2012.

A cidade tem o maior número de assentados no estado. Atual­mente os assentamentos contam com dez escolas, dois postos de saúde e diversos centros comunitários e espaços de lazer. A maioria dos moradores tem uma boa qualidade de vida. Segundo Danilo Ferrei­ra de Almeida, que faz parte da coor­­denação, poucos assentados recebem Bolsa Família, metade dos alunos tem acesso a universida­­des públicas e a maioria conta com veículo próprio. Segun­do estudo do Instituto Nacional de Coloni­za­­ção e Reforma Agrária (Incra), cada família assentada na cidade recebe em média três salários mínimos.

Mudança

Aos poucos, a imagem negativa dos assentados foi perdendo força. Hoje o comércio sabe, por exemplo, que a partir das 16 horas, quando param de circular os ônibus que levam os moradores dos assentamentos, as vendas caem. "Os assentados dão uma contribuição muito grande e 70% dos clientes são do assentamento. Foi uma coisa muito boa para a cidade", diz o comerciante Gilmar Kruger, que vende eletrodomésticos. A força dos novos moradores veio também pelo voto: dos nove vereadores da cidade, três são do assentamento.

A renda dos assentados vem da agricultura e pecuária, com a produção de milho, soja, feijão e leite. O produtor rural Roque Adriano Werle garante uma renda mensal de R$ 10 mil. "Hoje está bom. A pessoa vai à cidade e é reconhecida como gente", diz o produtor, que morou no Paraguai e chegou a Rio Bonito apenas de "mala e cuia".

Irregularidades

No entanto, alguns problemas são re­­latados por moradores. O primeiro deles é o desmatamento re­­gistrado no passado. Calcula-se que desde o início do acampamento foram devastados 10 mil hectares. Depois vêm as reclamações de violência e venda irregular de lotes.

Segundo superintende do Incra no Paraná, Nilton Bezerra Guedes, estão sendo feitas ações de licenciamento ambiental e de reflorestamento. Com relação à venda de lotes, ele afirma que o posicionamento é intolerante à comercialização e está sendo feita uma varredura em todos os assentamentos. Quanto à violência, diz não ter registros e afirma que é mínima.

Pesquisa aponta os avanços e os desafios

A maioria das moradias dos assentamentos no Brasil é de alvenaria, tem mais de cinco cômodos, acesso suficiente à água e algum tipo de tratamento de dejetos. Esse é o perfil dos assentados mapeado no fim do ano passado em uma pesquisa coordenada pelo Incra. O estudo mostrou ainda que para a maioria deles a qualidade de vida melhorou após o acesso à terra.

No entanto, a saúde e infraestrutura estão entre os aspectos que precisam ser melhorados: 57% das famílias informaram descontentamento com a condição das estradas e via de acesso aos lotes e 56% das famílias estão descontentes com o acesso a hospitais e postos de saúde. A educação também é um desafio e o principal problema está no ensino médio e superior, com acesso dos assentados inferior a 10%.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.