i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Desenvolvimento

Para romper o ciclo da pobreza

A desigualdade é uma das marcas do Paraná, que precisa encontrar soluções para oferecer melhores condições à populações de áreas carentes

  • PorBruna Maestri Walter
  • 14/01/2012 21:02
Moradores de Pinhão, no Centro-Sul do Paraná, encontraram na reciclagem uma oportunidade para aumentar a renda familiar | Hugo Harada/ Gazeta do Povo
Moradores de Pinhão, no Centro-Sul do Paraná, encontraram na reciclagem uma oportunidade para aumentar a renda familiar| Foto: Hugo Harada/ Gazeta do Povo

União

Melhoria vinda do lixo e do cooperativismo

Sem serviço, com pouca renda e esperança reduzida. Há dois anos, essa era a realidade da maioria das mulheres que hoje participam da Associação de Materiais Recicláveis da cidade de Pinhão, no Centro-Sul do Paraná. No cooperativismo elas encontraram uma maneira de prosperar e, de quebra, ajudar a cidade na reciclagem, uma atividade até então pouco conhecida e cheia de preconceito.

Atualmente, 12 pessoas participam da associação, que recebe apoio da prefeitura. O salário é por produção e os catadores conseguem tirar de R$ 500 a R$ 700 por mês, quantia que faz uma grande diferença.

A melhoria na vida dessas mulheres é perceptível quando se conversa com elas. "Eu era boia-fria. Quando terminava a safra, trabalhava em casa de família e pedindo a Deus para ter serviço", lembra a catadora Lindarci Camargo, que é responsável pelas despesas da sua casa. "A gente fica confiante." A presidente da associação, Neiva Ribeiro, também assumiu os gastos. "Pago água, luz, sustento a casa", diz ela, que planeja ver a filha de 17 anos na faculdade. (BMW)

Várias são as faces da pobreza e suas explicações. Para a dona de casa Rosa de Matos Oliveira, da cidade de Pinhão, no Centro-Sul do Paraná, que depende do Bolsa Família para se manter, a causa está na falta de emprego. No Vale do Ribeira, o encanador Louridi Cândido Brás reclama principalmente do isolamento de Doutor Ulysses. Já no Noroeste do estado, aos 21 anos, Júnior César, da pequena Santa Mônica, largou os estudos e perdeu as esperanças. "Pra que estudar, se para subir no caminhão de boia-fria isso não faz diferença ne­­nhuma?", questiona.

Os relatos acima e tantos outros ouvidos pela reportagem em diversas regiões paranaenses mostram o desafio da redução da pobreza, que se dissemina e atinge 18,4% dos domicílios do estado, de acordo com dados de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Esta­­tística (IBGE).

Pobreza essa que parece caminhar em ciclos. Os moradores reclamam da falta de oportunidades e ficam expostos a situações de vulneabilidade. Já os gestores muitas vezes dizem não ter recursos suficientes para a melhoria de vida da população e que faltam em­­pregos. Sem infraestrutura nem mercado consumidor, as indústrias acabam se instalando em outras áreas.

Para quebrar esses ciclos, o Estado precisará investir em incentivos a indústrias, educação, saúde e infraestrutura e em um plano de desenvolvimento para as áreas mais carentes. O diretor do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômi­­cas, Francisco Menezes, acredita em uma capacidade de transformação a médio e longo prazos no país. Menezes aponta a necessidade de condições básicas para que as pessoas em situação de pobreza extrema possam se emancipar através do próprio trabalho, especialmente os mais jovens. "Para o público mais velho e que viveu uma situação de muita vulnerabilidade, essas condições são mais difíceis."

Plano fundamental

Um plano para o desenvolvimento das regiões também é apontado como fundamental. De acordo com o coordenador do Obser­­vatório dos Indicadores de Sus­­tentabilidade (Orbis), Alby Rocha, é preciso uma visão regionalizada, com o apoio do governo, para que se criem formas de geração de renda nesses municípios. O presidente da Associação dos Mu­­nicípios do Paraná (AMP) e prefeito de Piraquara, Gabriel Samaha, vai além e sugere que seja repensado um modelo de desenvolvimento para o estado. "O estado é o grande fomentador. Tem que ter um programa estadual capaz de pensar as microrregiões", afirma.

O Paraná é um estado rico, mas extremamente desigual, avalia o diretor presidente do Ins­­tituto Paranaense de Desen­­volvimento Econômico e Social (Ipardes), Gilmar Lourenço. Segundo ele, é preciso investir em infraestrutura econômica e educação e fortalecer o agronegócio. Lourenço afirma que o estado tem incentivado que as empresas se instalem nas regiões mais pobres; negociado com as concessionárias de pedágio revisão das tarifas e uma possível retomada de obras; e articulado com faculdades e universidades estaduais a produção de alternativas de desenvolvimento. "O quadro tem que ser revertido olhando o Paraná como um todo", afirma. É o que esperam Rosa, Louridi e milhares de paranaenses.

(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "//connect.facebook.net/pt_BR/all.js#appId=254792324559375&xfbml=1"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));

Vida e Cidadania | 3:20

Repórteres estiveram no Sudoeste, Centro-Sul e Sudeste e mostraram desafios ao desenvolvimento e ações de sucesso implantadas nestas regiões. Descobertas encerram a série Retratos Paraná, que percorreu 10 mil quilômetros e montou um perfil do estado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.