Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Nos detalhes as mãos de Bunia. Ela conta que se cansa muito de falar sobre o Holocausto, por causa de tanta dor que sofreu | Alexandre Mazzo/ Gazeta do Povo
Nos detalhes as mãos de Bunia. Ela conta que se cansa muito de falar sobre o Holocausto, por causa de tanta dor que sofreu| Foto: Alexandre Mazzo/ Gazeta do Povo

Uma estrela a menos por um grande amor

Antes de vir ao Brasil, Bunia voltou ao front no último ano de guerra. Daquela vez fez por vontade própria: o sacrifício jus­­tificava, afinal, era por amor. É que o noivo dela, oficial do exército polonês, logo que casou com ela teve de voltar para a guerra, em 1945. Com medo de ficar distante da amada novamente, ele pediu autorização para levá-la junto. "Essa é outra história", diz Bunia sorrindo. Quando a guerra começou e ela teve de abandonar a casa, o noivo perdeu o contato. Foram anos sem saber onde ela estava. Certo dia, ao passar de trem pela estação, ele avistou o pai de Bunia e pulou desesperadamente do vagão para conseguir notícias dela. A atitude fez com que ele perdesse uma estrela do exército (era capitão). "Ele foi falar com meu pai para saber se eu estava viva", conta ela. Não demorou muito para que o casamento fosse celebrado.

Governo alemão tem indenizado famílias judias

Muitos judeus perderam suas casas durante a Segunda Guer­­ra Mundial porque, ao se­­rem levados para os guetos, campos de trabalho forçado ou campos de concentração, tiveram de deixar a residência imediatamente, com tudo dentro. O que aconteceu é que muitos vizinhos ocuparam as casas ou roubaram os bens e, quando os judeus retornaram, já não conseguiram ter o imóvel de volta – afinal, reclamariam para quem o direito de posse? Nas últimas décadas, principal­­mente dos anos 1990 para cá, o governo alemão tem indenizado os judeus pelos imóveis perdidos e também tem pagado multas (e/ou pensão) para aqueles que tiveram de fazer trabalho forçado. É claro, houve os que ocuparam as casas dos judeus porque também foram expulsos de suas cidades e literalmente jogados em outro lugar (aconteceu com alguns poloneses e ucranianos). Sem alternativas, iam ocupando o que estava vago (normalmente os lares judaicos).

 |

Para se aprofundar

Esses dois livros estão indiretamente relacionados ao Holocausto. Eles não contam relatos de sobreviventes ou a política dos nazistas, mas nos ajudam a entender qual era o cenário da Polônia durante a Segunda Guerra Mundial. Afinal, esse país foi o principal alvo do nazismo: ali começou a guerra, por causa da disputa entre soviéticos e alemães pela cidade de Gdanski (antigamente Danzig). Foi também na Polônia onde se instalaram os principais campos de extermínio (porque alemães não queriam toda essa matança no país deles) e também por ser ali, na Polônia, onde existia uma grande concentração de judeus que haviam migrado da Espanha. Para entender um pouco mais desse cenário, o jornalista Ulisses Iarochinski publicou duas obras: "Saga dos Polacos" e "Polaco", depois de cursar o mestrado e doutorado em Cracóvia.

Os livros: "Saga dos Polacos" e "Polaco"

Páginas: 150 e 200 respectivamente

Preços sugeridos: R$ 20 e R$ 40 respectivamente

Autor: Ulisses Iarochinski

À venda: pelo telefone (41) 3336-4275 ou na Livraria do Chaim.

  • Bunia passou 495 dias num buraco com outras 12 pessoas. Na foto, segura a imagem dos pais. A mãe dela entrou no esconderijo com 85 quilos e saiu com 45 quilos
  • Quando os guetos foram formados, Bunia teve de ir para lá com sua família
  • Bunia teve de fazer também trabalho forçado: ajudou a asfaltar estradas. Lembra que o piche quente lhe quimava os pés
  • Além de se esconder num buraco, Bunia também ficou algum tempo numa fazenda de tchecos. Lá tinha de ajudar na plantação de trigo

Quem morava na pequena cidade de Warkowicze (antes Polônia, atualmente Ucrâ­­nia) sofreu duplamente: primeiro em 1939 com a ocupação soviética e depois em 1941 com a chegada dos alemães. Bunia Finkiel, então com 17 anos, estava nessa encruzilhada. Preparava-se para completar os dois últimos anos do ginásio, em Kiev (cidade onde havia ensino mais avançado, próxima a Warkowicze), quando os russos entraram com tanques de guerra, quebrando todo o calçamento. "Nunca tínhamos visto aquilo. Nossa vida mudou imediatamente."

VÍDEO: Assista ao depoimento de Bunia Finkiel

>>Fotos: Confira mais fotos de Bunia Finkiel, sobrevivente do Holocausto

A língua hebraica foi proibida de ser usada e ela teve de terminar os estudos em escola russa. "Passei minha juventude entre guerras e medos. Os russos também não foram fáceis, pois sequestravam na calada da noite quem eles achavam que tinha de ser eliminado", conta.

O bombardeio sobre Kiev, em 1941, foi o anúncio de que o maior inimigo, os alemães, batia à porta. Ao lado dos vizinhos, Bunia se colocou em uma fila para testemunhar a entrada dos nazistas que ocupavam o espaço antes dominado pelos soviéticos. Queria ver a tropa passar. Coisa de menina ingênua. Dois soldados – um ruivo e alto, descreve ela – pararam na frente dela e dos amigos e perguntaram quem eram. Um respondeu: ‘tcheco’. O outro disse: ‘ucraniano’. E, quando apontaram para Bunia, sua amiga disse, com o dedo em riste: "Ela é judia". "Vejo sempre esse soldado na minha frente. Ele me disse que, se eu não fosse de origem judaica, seria bonita. Tirou uma faca e me colocou aqui [perto do pescoço]. O outro o segurou. Imagine como eu me senti." A "amiga", ela nunca mais viu.

Tão logo os alemães ocuparam o território, Bunia e vários outros jovens foram arrancados de casa para trabalhar à força. Começava às 6 da manhã e terminava às 18 horas (à noite voltavam para casa). Era preciso levar uma caneca junto porque ela era a garantia de uma porção de líquido fervido no almoço em um barril de petróleo. Quem pegava a folha do repolho era o premiado do dia. Es­­ses jovens ajudaram a asfaltar a estrada principal que ia do Norte ao Sul da Polônia e fazia conexão com a Rússia (os alemães careciam de boas estradas para passar com os equipamentos de guerra). "Minha irmã tinha de varrer a rua e, eu, espalhar as pedrinhas. O caminhão do asfalto vinha logo atrás de mim. Muitas vezes respirei aquele ar quente que vinha do asfalto, que queimava meus pés."

Primeiros guetos

Da entrada dos alemães na cidade à formação dos primeiros guetos também foi um passo rápido. Bunia e a família tiveram de deixar o conforto do lar, foram levados para um bairro murado e receberam como moradia uma varanda que era um puxadinho com teto de vidro, muito mais propício para o verão do que para o rigoroso inverno da Polônia. O medo só aumentava. "Meu pai dizia: ‘Isso não vai ser para sempre. Vai haver matança, temos de nos salvar.’" O pai dela tinha alguns amigos tchecos e foi às escondidas até a casa de um deles para pedir ajuda. Na volta, a mãe da garota olhou para ela e deu a ordem: "pegue três vestidos, um suéter e um casaco". Era hora de fugir. Lá se foram o pai, a mãe, Bunia, a irmã e o irmão.

O pai e a mãe ajudaram na fuga, mas permaneceriam no gueto porque trabalhavam na estação ferroviária e, como tinham documento para esse trabalho, poderiam ficar. Ela e a irmã fugiram para um lado e o irmão para outro. Ele acabou preso. "Tinha uma prima que era tradutora da polícia. Ela foi tentar salvá-lo, mas o comandante disse que, se soltasse meu irmão, teria de fazer o mesmo com os outros." O irmão de Bunia não se salvou. Aliás, dos 3 mil judeus que viviam naquela cidade, apenas 54 saíram vivos.

Na casa dos tchecos, Bunia e a irmã tiveram de trabalhar na plantação de trigo e centeio, ordenhar as vacas, amarrar os feixes de trigo. "Tinha de andar descalça naquele campo onde era cortado o trigo. Os tocos entravam nos nossos pés e nos cortavam a carne."

Logo o pai se juntou às filhas na fazenda. A mãe ainda acreditava em um milagre e ficou mais tempo no gueto. Certo dia saiu para rezar às escondidas, foi reconhecida e levou uma grande surra dos alemães. Foram dois dias de recuperação e a certeza de que era preciso fugir com a família. Alguns dias depois, também apareceram na fazenda os tios de Bunia.

Os boatos corriam soltos. E um deles era o pior de todos. Ouviram falar que alguns tchecos estavam entregando os judeus à polícia alemã em troca de dinheiro. O medo aumentou e eles fugiram para o bosque e, depois, para a fazenda de um amigo do pai da garota.

Buraco

O novo esconderijo era ao lado do chiqueiro de porcos. Foi ca­­vado um buraco onde eles conseguiam ficar de joelhos. Esta seria a moradia. Das frestas do chiqueiro, eles conseguiam monitorar quem entrava e saia da fazenda. Às vezes, às escondidas, saíam, porém o mais seguro era ficar no buraco. "Um dia apareceram os alemães e eles chegaram até o chiqueiro. Mas a porca, – olhe que abençoada –, deitou na tábua que dava acesso ao buraco e não se levantou. Os policiais deram pontapés nela, e ela nada. Imagine a nossa aflição. Eles foram embora. Eu me pergunto: no que podemos acreditar? Que Deus existe? Que aquilo foi sorte? Ou as duas coisas juntas?" Depois vieram outros policiais. Ficaram três dias e três noites. A tcheca não podia dar nem comida nem água para eles. "Quando as carroças foram embora, eu estava quase desmaiando de sede. Tinha nevado e meu pai me arrastou para fora e disse para eu lamber o chão".

Outro susto passou Bunia quando fazia a vigia pelas frestas do chiqueiro enquanto os outros dormiam. Um homem chegou perto da tábua e disse que era para chamar o pai dela. "Eu quase morri. Ele dizia: ‘Sei que vocês estão escondidos’." O homem ameaçou: "ou vocês me deixam ficar aqui ou conto tudo para a polícia". Eles passaram a ser 12 no buraco. Ali, desde o início, conviveram com os piolhos das palhas que ficavam depositadas ao lado do chiqueiro. Bunia conta que os ratos passavam entre os cabelos enquanto estava deitada, por isso todas as mulheres adotaram o corte militar.

A tcheca dava de comer a eles duas vezes ao dia: no almoço água quente e um pão fatiado em 12 pedaços milimetricamente iguais. E, à noite, uma sopa. "Quando a fome apertava muito, roubávamos as batatas cozidas que ela jogava aos porcos, em panelões", relata. O remédio contra a loucura mental era politicar. Eles ficavam imaginando o que aconteceria aos alemães. Ali viveram 495 dias marcados pelo pai de Bunia, dia a dia, com traços em um papel.

Foi em uma visita de alguns partisans (grupos revolu­­cionários) à fazenda, para pedir comida, que os 12 souberam pela tcheca que os alemães estavam recuando e se afastando da cidade. Enfim, os tiroteios começaram a cessar e, depois de mais um dia no buraco para ter certeza de que eles poderiam sair com segurança, os partisans apareceram outra vez e avisaram que estava seguro. A liberdade havia chegado outra vez. A mãe de Bunia en­­trou no buraco com 85 quilos e saiu com 45. "Ela não conseguia nem mesmo enxergar direito. Tivemos de cuidar muito dela." Dali, seguiram a pé para a casa onde moravam. Se depararam com a residência ocupada por outra família que não lhes deixou entrar e sequer pegar algumas roupas. Já não era mais seguro viver na Polônia, pois os alemães ainda estavam por ali. Decidiram ir à Itália e depois vir ao Brasil. Bunia encerra a conversa. "Fico muito cansada de falar sobre isso."

Sobreviventes do Holocausto

Linha do tempo do Holocausto

1924: Hitler escreve seu único livro Mein Kampf (Minha luta), quando esteve preso. A obra se tornou a bíblia do nacional-socialismo e as vendas do livro explodiram em 1933, quando ele sobe ao poder.

(Fonte: livro LTI: a linguagem do Terceiro Reich, de Victor Klemperer, tradução de Miriam Bettina Paulina Oelsner)

1933: Em 30 de janeiro Paul von Hindenburg, presidente da Alemanha, nomeia Hitler para o cargo de chanceler do Reich, incumbindo-o de formar um novo governo. O partido nazista chega ao poder. Na noite do dia 27 de fevereiro, um incêndio criminoso destrói o Reichstag, o parlamento alemão, em Berlim. O jovem comunista holandês Marinus van de Lubbe será condenado à morte pelo crime, na verdade praticado pelos nazistas.

(Fonte: livro LTI: a linguagem do Terceiro Reich, de Victor Klemperer, tradução de Miriam Bettina Paulina Oelsner)

1934: Em 30 de junho ocorre a noite das facas longas (Nacht der langen Messer), quando as tropas da SS, comandadas por Himmler, assassinam o general Ernst Röhm, chefe da SA, e cerca de 1,2 mil correligionários seus, com a aprovação de Hitler. Poucas semanas depois morre o presidente Hinderburg. Hitler se proclama chanceler e presidente plenipotenciário da Alemanha, o Füher.

(Fonte: livro LTI: a linguagem do Terceiro Reich, de Victor Klemperer, tradução de Miriam Bettina Paulina Oelsner)

1935: Começam os afastamentos e proibições de certos trabalhos a judeus. Victor Klemperer, por exemplo, é afastado do serviço público por ser judeu, no contexto de "purificação" nazista do Estado alemão.

(Fonte: livro LTI: a linguagem do Terceiro Reich, de Victor Klemperer, tradução de Miriam Bettina Paulina Oelsner)

1936: Olimpíadas de Berlim. Qualquer vestígio de antissemitismo permanece ocultado.

(Fonte: livro LTI: a linguagem do Terceiro Reich, de Victor Klemperer, tradução de Miriam Bettina Paulina Oelsner)

1938: Em 13 de março Hitler anexa a Áustria à Alemanha. Judeus são proibidos de frequentar bibliotecas públicas na Alemanha. Em 9 de novembro ocorre a Noite dos Cristais (Kristallnacht), com ataques generalizados contra judeus e sinagogas. (Fonte: livro LTI: a linguagem do Terceiro Reich, de Victor Klemperer, tradução de Miriam Bettina Paulina Oelsner)

1939: O exército alemão invade a Polônia. Começa a Segunda Guerra Mundial.

1940: As casas dos judeus passam a ser confiscadas e alguns deles são obrigados a desempenhar trabalho forçado e gratuito aos alemães.

(Fonte: livro LTI: a linguagem do Terceiro Reich, de Victor Klemperer, tradução de Miriam Bettina Paulina Oelsner)

1941: Todos os judeus são obrigados a portar a estrela amarela de Davi na roupa, sob risco de morte se não as portasse. Teria sido neste ano também que o termo "Solução Final" fora usado com o objetivo de exterminar todos os judeus europeus. Câmaras de gás móveis foram utilizadas: o cano de escapamento dos caminhões havia sido reajustado para liberar um gás letal, o monóxido de carbono, dentro dos compartimentos totalmente vedados na carroceria. Três campos de extermínio -- Belzec, Sobibor e Treblinka -- foram criados na Polônia com o objetivo único de facilitar o extermínio em massa.

(Fonte Museu do Holocausto de Washington).

1943: Em 31 de janeiro o exército alemão, sob o comando do marechal Friedrich von Paulus, se rende en Stalingrado. É um momento decisivo para a guerra, porque os alemães começam a perder força.

(Fonte: livro LTI: a linguagem do Terceiro Reich, de Victor Klemperer, tradução de Miriam Bettina Paulina Oelsner)

1944: O general Claus Schenk, em 20 de julho, tenta matar Hitler, levando uma bomba para uma reunião com o Führer. O atentado falha e os cinco envolvidos são enforcados.

(Fonte: livro LTI: a linguagem do Terceiro Reich, de Victor Klemperer, tradução de Miriam Bettina Paulina Oelsner)

1945: Acossado pela chegada do Exército Vermelho a Berlim, Hitler se suicida em 29 de abril, designando Goebbels como seu sucessor. Este se suicida no dia seguinte, junto com a maior parte dos principais assessores. A Alemanha se rende em 8 de maio.

(Fonte: livro LTI: a linguagem do Terceiro Reich, de Victor Klemperer, tradução de Miriam Bettina Paulina Oelsner)

1949: A República Federal Alemã (Alemanha Ocidental) e a República Democrática Alemã (Alemanha Oriental) são proclamadas oficialmente.

1989: Cai o Muro de Berlim.

1990: A Alemanha é reunificada.

VIDA E CIDADANIA | 7:22

Ela fugiu com a irmã e teve de trabalhar numa fazenda de trigo. O irmão foi morto durante a fuga. Depois, foi com a família para outra fazenda e viveu 495 dias num buraco com outras 11 pessoas. O esconderijo era ao lado do chiqueiro.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]