Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Todos os dias dezenas de haitianos ainda aparecem na Pastoral do Migrante - Regional Sul. Mas fluxo está diminuindo porque não há vagas de emprego. | Brunno Covello/Gazeta do Povo
Todos os dias dezenas de haitianos ainda aparecem na Pastoral do Migrante - Regional Sul. Mas fluxo está diminuindo porque não há vagas de emprego.| Foto: Brunno Covello/Gazeta do Povo

Mais vulneráveis aos crescentes índices de desemprego – a taxa de desocupação atingiu 6,9% em junho, segundo o IBGE – os haitianos têm sofrido para conseguir entrar ou se manter no mercado de trabalho brasileiro. Esta crise tem impulsionado os migrantes a querer se mudar para outros estados ou até para outros países.

Haitianos começam a desistirdo sonho brasileiro

Leia a matéria completa

“Tem muitos haitianos sem emprego. Para trabalhar, tem que ir embora”, disse o haitiano David Romeos, que está desempregado há três meses e meio. A penúria é tão extrema que ele sequer tem tênis ou sapato: enfrenta o inverno curitibano usando chinelos. O rapaz é um dos que pretendem juntar dinheiro para tentar a sorte em outro país. “Aqui ninguém consegue [emprego]. Está difícil”, resume.

Segundo o Ministério do Trabalho e Emprego, em 2014, foram contratados formalmente 17.577 haitianos, contudo outros 6.790 foram demitidos no mesmo período. Não há dados sobre o índice de desemprego entre os migrantes. Mas um bom indicativo é a percepção da Pastoral do Migrante, que, além de acolher quem vem de fora, procura encaminhar os forasteiros ao mercado de trabalho. A entidade aponta que nos últimos meses, a retração se intensificou: praticamente não há vagas.

Gregoire: da expectativa à frustração

Leia a matéria completa

“De 60 dias para cá, a gente liga para as empresas que contratavam e a resposta é: ‘segura, porque agora não podemos contratar ninguém’”, contou a assistente social Edésia de Souza Sato. “Eles [os haitianos] estão desesperados, pedindo ajuda pra ir embora”, completou.

Além disso, para o Ministério Público do Trabalho, os migrantes estão mais vulneráveis a violação de direitos do que os brasileiros. “Eles não são objeto das políticas assistenciais que privilegiam os brasileiros. Então, o haitiano precisa enfrentar o primeiro emprego que for oferecido a ele. (...) Se não dermos o mínimo suporte, vamos possibilitar que pessoas se aproveitem da vulnerabilidade desses trabalhadores”, disse a procuradora do Trabalho, Cristiane Sbalqueiro Lopes.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]