i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Londrina

Evangélico promete fechar pronto-socorro

  • PorFábio Luporini, Jornal de Londrina
  • 14/09/2010 21:08

O Hospital Evangélico (HE) de Londrina anunciou, na tarde de ontem, que deve fechar o pronto-socorro e paralisar o atendimento a partir das 7 horas de hoje. O hospital alega ter R$ 3 milhões para receber da secretaria municipal de Saúde, valor acumulado desde janeiro deste ano. A prefeitura diz não ter repassado o dinheiro por causa da falta da assinatura de um contrato entre o hospital e o gestor público.

Um ofício foi enviado pelo HE à prefeitura de Londrina. "Esta atitude põe em risco a viabilidade do nosso hospital, pois diferente da sua secretaria, honramos todos os nossos compromissos financeiros em dia desde a intervenção judicial havida em 26 de abril de 2006", diz o texto direcionado ao secretário Agajan Der Bedrossian, com cópia para outras autoridades.

O hospital já interrompeu o serviço em novembro e dezembro do ano passado, pois havia indefinição em relação ao pagamento dos incentivos aos médicos plantonistas que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Justificativa

O líder do prefeito na Câmara, Tito Valle (PMDB), disse que a prefeitura não fez o pagamento ao Hospital Evangélico porque o contrato de prestação de serviços com a Secretaria Municipal de Saúde não foi assinado. De acordo com o peemedebista, o motivo foi a suposta discordância do Hospital Evangélico em ofertar no mínimo 60% dos seus leitos para o Sistema Único de Saúde (SUS).

Em entrevista coletiva concedida na Câmara Municipal no início da tarde de ontem, o secretário de Saúde, Agajan Der Bedrossian, disse que essa diferença foi superada e que o contrato só não foi assinado até agora porque faltariam alguns documentos. Segundo Agajan, a questão está "emperrada" na Secretaria de Gestão Pública.

Questionado sobre o valor mensal do contrato com o HE, Agajan evitou falar claramente. Primeiro ele disse que era um contrato de prestação de serviços – e que o volume de serviços prestados é o que determina o valor. Questionado sobre o teto desse contrato, o secretário admitiu que existe o teto, mas não soube informar o valor.

Colaboraram Aurélio Cardoso e Fábio Silveira

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.