Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Neste Dia de Finados, a Praça Sagrado Coração de Jesus, em frente ao Cemitério Municipal Água Verde, ficou tomada por guardas-chuvas dos fiéis que participaram da missa campal celebrada pelo arcebispo dom Moacir Vitti e pelo padre Reginaldo Manzotti. A equipe do projeto Evangelizar É Preciso, mantida poe Manzotti, calcula que o público foi de cerca de dez mil fiéis.

O mau tempo não impediu que as pessoas orassem pelos parentes e amigos mortos. Muitos levaram fotos e objetos que lembravam os falecidos e receberam a bênção durante a Procissão do Santíssimo Sacramento. Dom Moacir lembrou que a cerimônia é para lembrar a morte, mas também para "celebrar a vida, que é um dom de Deus."

A dona de casa Beatriz Roznowski fez questão de levar os três filhos e a neta para assistirem à missa. Emocionada, lembrou da perda de parentes, mas se sentia confortada. "A missa traz um alento ao coração e alivia o sofrimento", diz ela.

Nos cemitérios, pouca gente visitou os túmulos pela manhã. O movimento começou a aumentar perto do horário do almoço. Muitos preferiram fazer as homenagens na quinta-feira e diversos jazigos amanheceram cheios de flores.

O túmulo de Maria Bueno, no Cemitério Municipal São Francisco de Paula, foi um dos mais visitados. A jovem que foi assassinada por um homem apaixonado é vista como santa e responsável por muitos milagres. A aposentada Lindacir Carvalho visita o jazigo sempre que pode. "Já recebi muitas graças de Maria Bueno e visito seu túmulo com se fosse de uma parente", conta ela.

As pessoas que optaram por cremar os familiares também puderam prestar suas homenagens. O Crematório Vaticano organizou uma celebração ecumênica que incluiu visita às cinzas. Ao fim da cerimônia, familiares e amigos escreveram mensagens em balões brancos que foram soltos, acompanhados de uma revoada de pombos.

O comerciante Maurício César Alves conta que a cremação era desejo de sua mãe. "Cumpri a sua vontade. A lembrança é diária, mas uma cerimônia como esta é reconfortante."

A aposentada Ivany Siuda acredita que a cremação é a melhor opção. "Meu marido morreu há um ano e minha filha e eu decidimos cremá-lo. Sabemos que o espírito é superior e eu estou acabando de pagar pela minha cremação, porque para mim é o melhor."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]