| Daniel Castellano/Gazeta do Povo
| Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

A Rede Integrada de Transportes (RIT) passou por mudanças no ano passado. Antes gerida apenas pela Urbs, empresa vinculada à prefeitura de Curitiba, agora a RIT tem uma cogestão. As linhas dentro de Curitiba permaneceram com a Urbs. Já as metropolitanas passaram para a Comec, órgão do governo do Paraná. Publicamente, essa mudança se deu por um desentendimento entre a prefeitura de Curitiba e o governo sobre o valor repassado pelo estado para subsidiar o sistema.

Mesmo integradas, as linhas metropolitanas não foram licitadas junto com os linhas urbanas de Curitiba em 2010. Elas operam por meio de uma autorização precária, situação que o governo promete mudar. No ano passado, a gestão Beto Richa (PSDB) havia prometido licitar esse sistema ainda neste ano.

Cidades metropolitanas terão de integrar transporte até 2018

Lei aprovada em janeiro de 2015 deu prazo de três anos para que governos e metrópoles criem plano integrado para o setor

Leia a matéria completa

Quem estuda o transporte daqui, entretanto, recomenda que essas linhas sejam licitadas junto com os sistemas urbanos da metrópole. Isso atenderia o Estatuto das Metrópoles. Mas há um impasse: o maior sistema de transporte da RMC é o de Curitiba, que já tem um contrato assinado após uma licitação alvo de inúmeras contestações.

Olga Firkowski, professora do departamento de geografia da UFPR, cita Belo Horizonte como exemplo e vê com preocupação o que está acontecendo em Curitiba. “O conjunto da população perde quando as políticas públicas ficam a mercê de disputas partidárias. Quando tivemos a integração, houve uma convergência de partidos políticos. Hoje, como não há convergência, não há políticas. E isso é péssimo do ponto de vista de vida social. É errado pensar em uma política que não inclua o principal polo de demanda do transporte”.

Em nota, a Comec afirmou que fará a licitação apenas após a conclusão de arcabouço do Plano Metropolitano de Mobilidade que estabelece as diretrizes do sistema de transporte coletivo metropolitano. O órgão estadual disse ainda que está estudando a criação de uma estrutura metropolitana interfederativa para gerenciar o transporte integrado. Para a Comec, diz o texto,” não deve existir diferença entre o transporte urbano e o transporte metropolitano”. A prefeitura de Curitiba tem se manifestado recorrentemente para relembrar que a integração operacional do sistema está mantida. De fato, ainda é possível realizar as mesmas integrações em tubos e terminais da cidade. Mas a gestão agora é compartilhada e a tarifa única, por decisão da Comec, deu lugar aos degraus tarifários.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]