i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
FUTURO DAS CIDADES

Faixas exclusivas são aposta para resolver o trânsito. Mas será que são eficazes?

Segregação do espaço viário por tipo de modal e estímulo ao transporte coletivo têm sido as soluções mais comuns para minimizar congestionamentos. Especialistas apontam prós e contras

  • PorRaphael Marchiori
  • 02/05/2016 10:48
Faixa exclusiva da Rua Conselheiro Laurindo foi implantada  no último dia 31 de março | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
Faixa exclusiva da Rua Conselheiro Laurindo foi implantada no último dia 31 de março| Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

Para parte dos motoristas de automóveis particulares, ficar parado no trânsito enquanto o ônibus, a bicicleta e até o pedestre a ultrapassa em faixas exclusivas pode parecer uma injustiça. Mas a segmentação da via pública por diferentes modais vem sendo uma medida recorrente em grandes cidades para resolver congestionamentos. Priorizando o transporte coletivo e a bicicleta, gestores públicos acreditam que diminuirão a quantidade de automóveis particulares no dia a dia das metrópoles.

Calçadas ainda são gargalos na mobilidade do país

Sem fiscalização, os passeios – quando existem – são geralmente inóspitos ao pedestre

Leia a matéria completa

Com um histórico de vias segregadas ao transporte coletivo, Curitiba dá os primeiros passos na implantação das faixas. Essa estrutura mais simples de priorização do ônibus, com tinta e tachões, já está disseminada em cidades populosas como Londres, São Paulo, Rio de Janeiro e Bogotá e até em municípios médios como Juiz de Fora (MG) e a paranaense Londrina.

Luiz Carlos Mantovani Néspoli, superintendente da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), explica que as faixas e os corredores segregados devem ser projetos complementares. “Cada projeto se adapta para o perfil da via onde ele está sendo implantado”, disse Néspoli. A canaleta, por exemplo, é perfeita para vias com características expressas como a Linha Verde ou a Avenida das Torres (quando já não houver mais torres). Mas já não é a melhor solução para vias arteriais, como as ruas XV de Novembro e Conselheiro Laurindo -- ambas com projetos já implementados.

Objetivo alcançado

A Urbs afirmou que o objetivo principal das faixas em Curitiba era fazer com que os ônibus passassem a cumprir a tabela horária. Isso foi atingido, disse a empresa. A Urbs informou também que, na sequência, quando estiverem implantadas faixas nos dois sentidos destas linhas, então haverá um ganho de frota em função de maior velocidade operacional. A capital paranaense tem 6 Km implantados. Nos próximos meses, serão implantadas novas faixas nas ruas Alferes Poli e João Negrão e na Avenida Presidente Kennedy. A ideia inicial da atual gestão era terminar 2016 com 20 Km implantados.

A segregação das vias e o estímulo ao transporte coletivo surgem como alternativas ao alargamento do sistema viário, modelo que se mostrou pouco eficaz no médio prazo. Paulistanos que o digam. Em 2010, o então prefeito José Serra concluiu uma obra de R$ 1,5 bilhão para alargar a Marginal Tietê. Cinco anos depois, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) divulgou que os congestionamentos por ali aumentaram, em média, 80%.

Mas especialistas apontam que a implantação da faixa tem de vir acompanhada de outras medidas. “Precisa haver racionalização da frota coordenada com a demanda. Em São Paulo, a impressão inicial era de que as faixas não davam certo. Mas hoje já não há mais questionamentos”, defendeu Lincoln Paiva, presidente do Instituto Mobilidade Urbana. A capital paulista conviveu com um fenômeno comum pós-implantação das faixas. Como os ônibus circulavam mais rapidamente, eles chegam antes ao destino e passavam a ficar mais tempo parados no ponto final. Por isso, há a necessidade de adequar as tabelas de horários de partidas nas linhas beneficiadas com os corredores exclusivos.

São Paulo ganhou 410 quilômetros de faixas exclusivas nos últimos três anos. Até então, havia 90 quilômetros. No ano passado, a prefeitura divulgou que a velocidade média do transporte coletivo na cidade aumentou 67,5% – passando de 12,1 Km/h para 20,3 Km/h. Também no ano passado, a pedido da Gazeta do Povo, a Urbs apresentou dados que mostraram redução no tempo de viagem das linhas que trafegavam nas faixas já instaladas em Curitiba.

Salvador suspendeu faixas por ter congestionado linhas de ônibus

Crítica comum feita por motoristas de automóvel particular, o congestionamento causado pela implantação de faixas exclusivas de ônibus fez a prefeitura de Salvador rever a implantação de duas faixas na capital baiana. Em novembro de 2013, as avenidas Juracy Magalhães Júnior e ACM chegaram a ganhar esses corredores. Mas dias depois da implantação, a fiscalização foi suspensa. À época, a justifica do município foi de que a via acabou congestionando o tráfego dos ônibus que circulavam por ali porque havia muitas linhas. A promessa era de que mais estudos fossem feitos no local para a retomada da priorização. Mas até hoje as faixas permanecessem desativadas, apesar de outras terem sido implantadas em outras vias de Salvador.

Apesar de defender a política de priorização do transporte coletivo como um todo, o arquiteto e urbanista Lucio Gomes Machado afirma ser um “mito” imaginar a extinção dos automóveis particulares nas grandes cidades.”É claro que o transporte coletivo tem de crescer. Mas São Paulo, por exemplo, é caracterizada por uma diversidade de serviços e as pessoas precisam estar em vários lugares da cidade durante um mesmo dia, microcapilaridade que o transporte coletivo não consegue fazer. Então , vamos ter que continuar resolvendo problemas viários, espaciais e de estacionamento”, afirma.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.