Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Pesquisa da Rede Nossa São Paulo revela que 54% dos que concordam com o aumento na cidade raramente usam ônibus. | Cesar Ogata/ Secom 10/09/2015/Fotos Públicas.
Pesquisa da Rede Nossa São Paulo revela que 54% dos que concordam com o aumento na cidade raramente usam ônibus.| Foto: Cesar Ogata/ Secom 10/09/2015/Fotos Públicas.

Pouco mais da metade dos paulistanos apoia o aumento da velocidade máxima nas Marginais do Tietê e Pinheiros na capital paulista. Pesquisa da Rede Nossa São Paulo, divulgada nesta terça-feira (24), revela que 54% dos que concordam com o aumento raramente usam ônibus e utilizam automóveis todos os dias – ou quase todo dia.

No perfil dos apoiadores, prevalecem os homens, de idade entre 45 e 54 anos, com ensino superior. Entre os contrários (41%), destacam-se os que raramente usam automóveis, as mulheres e os que têm 55 anos ou mais. O resultado é parte do estudo Índice de Referência de Bem-Estar no Município (IRBEM), realizado pelo Ibope e publicado na véspera da data anunciada pelo prefeito João Doria (PSDB) para elevação do limite nas vias.

Ciclistas entram com ação contra aumento de velocidade nas Marginais de São Paulo

Simulador mostra como o trânsito melhora com a redução do limite de velocidade

Redução de velocidade no trânsito é tendência irreversível

LEIA MAIS sobre mobilidade em Futuro das Cidades

A gestão tucana recorreu ao Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) nesta segunda-feira (23), contra decisão liminar da 4.ª Vara da Fazenda Pública da Capital que barrou o aumento de velocidade.

No aniversário da cidade, que será comemorado nesta quarta-feira (25), Doria planejou que os limites para carros voltassem a ser de 90 km/h nas pistas expressas das Marginais do Tietê e do Pinheiros, 70 km/h nas pistas centrais da Tietê e 60 km/h nas pistas locais de ambas as Marginais, com exceção da faixa à direita, que permanecerá com limite máximo de 50 km/h em toda a extensão.

Também em relação à mobilidade, segundo a pesquisa, 62% são contrários à proposta de aumentar o preço da gasolina para reduzir o valor da tarifa de ônibus e 29% são a favor.

Outra questão polêmica abordada no estudo é a aplicação de plebiscito para que a população decida sobre a implantação de obras de alto custo financeiro ou impacto ambiental e social: 90% se dizem favoráveis e 8%, contrários. Em relação à inspeção veicular ambiental, 50% concordam e 43% são contrários.

O levantamento avaliou a percepção dos paulistanos sobre a qualidade de vida na capital. Entre os 71 itens avaliados, as cinco piores áreas são, na ordem: Transparência e Participação Política, Desigualdade Social, Assistência Social, Transporte/Trânsito (Mobilidade) E Habitação. Já as mais bem avaliadas são: Cultura, Esporte, Tecnologia da Informação, Aparência e Estética, e Juventude.

Os respondentes da pesquisa puderam ainda dar nota de 0 a 5 às áreas avaliadas da cidade. Dos quatro itens com menor nível de satisfação (nota até 2,5), três se relacionam com transparência e participação política. São, na ordem: Forma de participação na escolha dos subprefeitos (Transparência e Participação Política), Transparência dos gastos e investimentos públicos (Transparência e Participação Política), Tempo médio entre a marcação e a realização de procedimentos mais complexos (Saúde) e Punição à corrupção (Transparência e Participação Política).

Já os cinco itens com melhor nível de satisfação (nota superior ou igual a 4) na cidade são: Campanhas de vacinação (Saúde), Coleta seletiva em seu bairro (Meio Ambiente), Proximidade de postos de saúde/UBS/AMA (Saúde), Proximidade de cinemas (Cultura) e Oferta e qualidade da coleta de esgoto em sua casa (Habitação).

PM e radar vão garantir Marginal a 90 km/h

Para tentar reverter a decisão judicial que barrou o aumento da velocidade nas Marginais do Pinheiros e do Tietê, o prefeito João Doria (PSDB) afirmou na segunda-feira (23), à Justiça que vai aumentar o número de radares na via e deve atuar junto com a Polícia Militar para fiscalizar a documentação de motos nas duas vias.

As afirmações estão no recurso apresentado por Doria à Justiça, assinado pelo procurador-geral do Município, Marcos Vinícius Sales dos Santos. A promessa do prefeito, barrada pelo juiz Manoel Fonseca Pires, da 4.ª Vara da Fazenda Pública na sexta-feira passada, era aumentar os limites nesta quarta-feira (25), aniversário da cidade.

No documento, Doria foca tanto nos aspectos técnicos de sua decisão, baseado no programa Marginal Segura, que ainda não foi apresentado na íntegra à população, afirmando ser possível aumentar os limites de velocidade sem elevar o número de acidentes, quanto nos aspectos legais, ao ressaltar que é atribuição da prefeitura determinar qual deve ser a velocidade máxima de cada via.

À Justiça, a prefeitura de São Paulo afirma que colocará 16 radares-pistola para fiscalizar motociclistas, que respondem por 22% das vítimas de acidentes. É uma ação que já vinha acontecendo na cidade: desde o fim da gestão Gilberto Kassab (PSD) e ao longo do mandato de Fernando Haddad (PT) os equipamentos já eram usados com este fim. Os aparelhos vinham sendo operados por guardas-civis metropolitanos. Ao jornal O Estado de S. Paulo, a gestão Doria afirmou que seriam 14, não 16, os radares-pistola.

Outra afirmação de Doria no recurso é que a prefeitura terá “integração com a Polícia Militar (fiscalização das motos e da documentação)”. Questionada sobre esse ponto, a gestão Doria também apresentou informações diferentes das fornecidas à Justiça. Não citou a fiscalização de documentos de motos e descreveu a integração com a PM como “integração operacional, com utilização de câmeras da PM no monitoramento das vias e de helicópteros Águia para atender as ocorrências”.

O prefeito também prometeu, por escrito, ampliar as equipes operacionais da CET em 35 agentes – sem detalhar quantos agentes trabalham na vias hoje. E ainda citou acréscimo de veículos de serviço nas vias.”

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]