i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
urbanismo

São Paulo e Curitiba: diferentes modelos de operação consorciada urbana

É na década de 1980 que surgem as operações consorciadas, nos planos diretores das gestões Jânio Quadros (PTB) e Luiza Erundina (PT). Mas é com o Estatuto das Cidades (2001) que a medida ganha força

  • PorNaiady Piva
  • 22/07/2016 20:36
Curitiba lançou a primeira operação urbana do Sul do país em 2011, na Linha Verde. | Albari Rosa/Gazeta do Povo
Curitiba lançou a primeira operação urbana do Sul do país em 2011, na Linha Verde.| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

As operações urbanas têm início nos anos 1980, em São Paulo, com as chamadas “operações interligadas”. À época, houve quem elogiasse o “espírito de Robin Wood” da operação: tirar dos ricos (setor imobiliário, que pagava à prefeitura para construir acima do permitido pelo zoneamento) para dar aos pobres (o dinheiro era obrigatoriamente investido em habitações de interesse social), conta a arquiteta e urbanista Mariana Fix, professora de Economia na Unicamp.

Também nesta época surgem as operações urbanas, nos planos diretores das gestões Jânio Quadros (PTB) e Luiza Erundina (PT). Mas é com o Estatuto das Cidades (2001) que a medida ganha força. Hoje, há três operações consorciadas em andamento na capital paulista: Faria Lima, Água Branca e Água Espraiada. Esta última foi a responsável pela construção da Ponte Estaiada sobre a Marginal Pinheiros, e pela construção do conjunto habitacional Jardim Edite, inaugurado em 2013, que abriga antigos moradoras de uma favela homônima que existia no local. Foi a primeira operação feita sob a vigência do Estatuto.

Porto Maravilha: erros e acertos da parceria entre público e privado na readequação de espaços públicos

Leia a matéria completa

Se o Rio de Janeiro usou a operação para requalificar a área do Porto, o foco de São Paulo é em incentivar o adensamento em regiões da cidade ainda pouco exploradas. A voracidade do mercado imobiliário local garante o sucesso da venda de Cepacs. Por outro lado, a crise econômica fez o setor colocar o pé no freio. Uma vantagem do município é a experiência. A gestão municipal têm técnicos voltados para elaborar o instrumento e negociar os títulos de potencial construtivo a um valor mais competitivo. Além disso, a prefeitura dá seus primeiros passos em regulamentar um instrumento permanente de diálogo com a sociedade sobre grandes obras.

Curitiba lançou a primeira operação urbana do Sul do país em 2011, na Linha Verde. O projeto prevê a transformação em avenida do trecho urbano da BR-116. Além de incentivar o desenvolvimento da região, a ideia era “unir a cidade”, dividida pelo “acidente geográfico” da rodovia, explica o presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), Sérgio Povoa Pires. A previsão da prefeitura é concluir a obra em maio de 2018. A meta é arrecadar R$ 1,4 bilhão em Cepacs. O primeiro lote dos títulos rendeu R$ 36 milhões.

Pires explica que isto faz parte da própria dinâmica de venda. A prefeitura vende aos poucos para controlar o desenvolvimento da região – ela decide para quem vender e quando – e para lucrar com a valorização dos títulos. No Rio de Janeiro, por exemplo, Cepacs que a Caixa Econômica Federal comprou por R$ 540, em 2011, hoje são vendidos a R$ 1,6 mil.

A obra curitibana também não atraiu muitos investidores privados, apesar de três shoppings terem sinalizado interesse de se instalar na região. A crise econômica e a demora na conclusão das obras (cujos contratos foram revistos no início da gestão Gustavo Fruet) são explicações possíveis. Mas a demora também fruto da própria dinâmica de construção, na opinião do presidente do Ippuc. “É um trabalho de visão de futuro. Planejamos a cidade para um horizonte de 20, 30 anos”. Investir na Linha Verde é como antecipar a solução de um problema que vai surgir lá na frente.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.