Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Sérgio Lima / Folhapress
| Foto: Sérgio Lima / Folhapress

Rodovias

Polícia montará barreiras hoje em sete pontos

Antônio Senkovski

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) promete fazer hoje barreiras de fiscalização em sete pontos de rodovias do Paraná. Na Grande Curitiba, três frentes de vigilância estão programadas: posto Taquari e posto Contorno, na BR-116; e posto Contenda, na BR-376. Em Foz, a operação-padrão ocorrerá na BR-277, na Ponte da Amizade e no posto de Santa Terezinha de Itaipu. Em Londrina, a mobilização será na BR-369, no quilômetro 157. Pode ocorrer ainda um bloqueio no posto da PRF em Furnas, na BR-376, em Ponta Grossa.

O governo decidiu aumentar a proposta de reajuste salarial para os técnico-administrativos de universidades e institutos federais, em greve há dois meses. Além do reajuste de 15,8% para a categoria dividido entre os próximos três anos – anunciado semana passada –, o Ministério do Planejamento apresentou ontem novos índices para evolução na carreira e incentivo à qualificação dos servidores da categoria, em uma reunião que durou pouco mais de quatro horas.

Assim, um técnico com graduação que fizer especialização receberá um adicional no contracheque maior do que recebe atualmente. A oferta inicial tinha uma despesa estimada em R$ 1,7 bilhão. A segunda proposta elevou o impacto nos cofres públicos para R$ 2,9 bilhões. "É a oferta final", afirmou o secretário de Relações do Trabalho, Sérgio Mendonça.

Representantes da categoria não deram uma resposta à oferta, mas não se mostraram totalmente satisfeitos. Eles defendem aumento de 15% para 2013 ou 25% fracionado até 2015. "Alguns avanços aconteceram, mas entendemos que o reajuste pode ser melhorado. Isso não atende aos anseios da categoria ainda", disse Gutenberg de Almeida, coordenador-geral do Sindicato Nacional dos Servidores Fede­rais da Educação Básica, Pro­­fissional e Tecnológica (Sinasefe). Uma nova reunião está marcada para hoje.

Mais cedo, o ministro da Educação, Aloizio Mer­cadante, afirmou que esperava uma boa resposta da categoria. "Estamos otimistas. (...) Concluindo o acordo com os técnicos, as universidades deverão preparar o calendário de reposição das aulas", disse, ignorando a continuidade da paralisação dos professores. Com eles, o governo deu por encerradas as negociações.

Alcance

O movimento grevista dos servidores públicos afeta mais de 60% do quadro de trabalhadores do Executivo federal. Ainda que a adesão não seja total, as carreiras mais numerosas que participam da paralisação somam 354 mil funcionários, para um total de 573 mil trabalhadores em atividade na administração direta, autarquias e fundações. A Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), que reúne mais de 30 categorias, promoveu uma passeata ontem na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

O governo estuda dar um reajuste global a todo o funcionalismo federal para recompor o poder de compra do servidor e buscar pôr fim às greves. Segundo a reportagem apurou, uma das alternativas é viabilizar um aumento médio anual – que poderia ser de 5% – de 2013 a 2015.

Sem acordo, PF ameaça com operação-padrão

Policiais federais decidiram manter a greve da categoria após reunião com representantes do Ministério do Planejamento, ontem, em Brasília. Na saída, eles soltaram balões negros (foto) como forma de protesto. A Federação Nacional dos Agentes da PF (Fenapef) promete intensificar as operações-padrão em todo o Brasil hoje. No Paraná, as fiscalizações devem ocorrer no Aeroporto Afonso Pena, no Porto de Paranaguá e na Ponte da Amizade.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]