Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Audiência no TRT acabou sem acordo entre trabalhadores e empresas do transporte em Curitiba e RMC  | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Audiência no TRT acabou sem acordo entre trabalhadores e empresas do transporte em Curitiba e RMC | Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

Após sete dias de greve de ônibus em Curitiba – e sem acordo entre empresas de ônibus e motoristas e cobradores –, o presidente do sindicato que representa as viações, Maurício Gulin, pediu paciência à população. “Peço mais paciência da população. Estamos em busca de uma solução para que não seja preciso um novo aumento na tarifa”, disse o presidente do Setransp.

Confira o resumo do sétimo dia de paralisação do transporte público de Curitiba

Greve de ônibus continua em Curitiba, mas frota mínima será ampliada

Leia a matéria completa

A declaração foi dada depois do encerramento da segunda audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que acabou sem acordo entre empresas e trabalhadores. Gulin disse ainda que as empresas buscarão manter o diálogo antes do julgamento, que deve acontecer dentro de uma semana. “O diálogo tem que continuar para tentar chegar a um acordo antes do julgamento”, afirmou.

A tarifa foi reajustada em 15% no último dia 6 de fevereiro. Desde então, a tarifa técnica, que representa o valor da passagem repassado da Urbs para as empresas do transporte coletivo, ainda não foi alterada. Desta forma, as viações continuam recebendo R$ 3,66 por passagem paga. O Setransp chegou a demonstrar que, para suprir os gastos do sistema, a tarifa técnica precisaria chegar em R$ 4,57, o que já foi descartado de antemão pelo presidente da Urbs, José Antônio Andreguetto.

Em reunião com representantes do Sindimoc, sindicato dos trabalhadores, Andreguetto afirmou que aguarda o desfecho do dissídio dos motoristas e cobradores para definir a nova tarifa técnica. O presidente da Urbs descarta qualquer aumento de tarifa até fevereiro de 2018, quando há uma nova negociação salarial entre empresas e trabalhadores.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]