Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Grupo de apoio a Bolsonaro é suspenso do Telegram por suposto conteúdo ilegal
| Foto: Pixabay

O grupo B-38, uma das maiores comunidades de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e ao governo federal no Telegram, foi temporariamente suspenso da rede social em 6 maio. Os coordenadores do B-38 não foram informados pela plataforma sobre o motivo do bloqueio e, desde então, tentam obter informações sobre o caso com representantes do Telegram no Brasil. A página principal do B-38 nessa rede social, que está suspensa há cinco dias, tem aproximadamente 67 mil membros.

>> Faça parte do canal de Vida e Cidadania no Telegram

Ao tentar acessar o grupo no Telegram, o usuário recebia a seguinte informação: “Desculpe, este grupo está temporariamente inacessível para dar aos administradores tempo para remover as mensagens de usuários que postarem conteúdo ilegal. Vamos reabrir o grupo assim que a ordem for restaurada.” A mensagem automática do Telegram, porém, não deixou claro qual foi o tipo de conteúdo que teria motivado o bloqueio.

O coordenador-geral do B-38, coronel reservista da Aeronáutica Marcos Koury, afirmou que não sabe qual foi a postagem que teria motivado a suspensão e, sem essa informação, não há como cumprir a determinação de apagar o suposto conteúdo ilegal. Os temas discussão são variados e são feitas milhares de postagens diariamente. "Nós não fizemos absolutamente nada ilegal. É só olhar as postagens do grupo. Somos um grupo conservador, cristão, de direita e de apoio ao presidente. Mas nisso estamos no nosso direito", afirmou Koury.

Apesar de não saber a motivação, o coronel tem duas suspeitas sobre o que teria causado a suspensão temporária do B-38: uma delas diz respeito às discussões sobre o voto impresso. Outra seria por causa de uma postagem referente a um filme com conteúdo sexual com a participação de uma apresentadora de televisão. O post foi apagado e o responsável foi excluído do grupo.

"Eu tenho o direito de saber do que estou sendo acusado e me defender. Depois, no devido processo legal - seja ele jurídico ou administrativo -, exauridos os recursos, até poderia, se fosse o caso, ocorrer o bloqueio", afirmou o coordenador-geral do B-38.

A suspensão do grupo B-38 ocorreu menos de dois meses após o Telegram assinar o termo de adesão ao Programa de Enfrentamento à Desinformação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). De acordo com a Justiça Eleitoral, o objetivo do programa é combater a disseminação de fake news nas eleições. A parceria foi firmada com o representante da plataforma no Brasil, o advogado Alan Campos Elias Thomaz, em 25 de março.

Antes de aderir ao programa do tribunal, o Telegram já havia cumprido uma série de exigências do ministro Alexandre de Moraes, vice-presidente do TSE e membro do Supremo Tribunal Federal (STF), para reverter o bloqueio temporário da plataforma determinado por ele em março. Entre elas, a indicação de um advogado brasileiro especializado em direito digital e de um e-mail específico para pronto atendimento a intimações judiciais e policiais, monitoramento dos 100 canais mais populares no país, a moderação de conteúdo com base em notícias publicadas pela mídia e por agências de checagem, com promoção de informações verificadas, além da possibilidade de marcar mensagens imprecisas e restringir publicações de usuários banidos.

Procurado, o advogado Alan Campos Elias Thomaz, representante da plataforma no Brasil, disse apenas que "o escritório não comenta os casos envolvendo os seus clientes".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]