Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida e Cidadania
  3. Hospital Evangélico, em Curitiba, deve levar 10 anos para se ‘reerguer’

saúde

Hospital Evangélico, em Curitiba, deve levar 10 anos para se ‘reerguer’

Sob intervenção judicial desde dezembro de 2014, o hospital que atende praticamente apenas pacientes do SUS tem uma dívida de R$ 346 milhões

  • Diego Antonelli
Para dimensionar o tamanho do rombo, mesmo se, hipoteticamente, o Evangélico vendesse hoje todos os seus bens, um valor de R$ 277 milhões ficaria sem ser pago. | Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo
Para dimensionar o tamanho do rombo, mesmo se, hipoteticamente, o Evangélico vendesse hoje todos os seus bens, um valor de R$ 277 milhões ficaria sem ser pago. Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Sob intervenção judicial desde dezembro de 2014, O Hospital Evangélico deve levar mais uma década para se reerguer. A instituição está afogada em dívidas que somam um total de R$ 346 milhões. Mantendo o atendimento a quase um milhão de pessoas por ano, a situação financeira está longe de ser sanada. Dívidas trabalhistas, bancárias e tributos atrasados, além dos valores destinados à manutenção mensal, colocam o hospital em estado de alerta.

Para dimensionar o tamanho do rombo, mesmo se, hipoteticamente, o Evangélico vendesse hoje todos os seus bens, um valor de R$ 277 milhões ficaria sem ser pago. “Diante desta situação, a intervenção não tem prazo para terminar e pode durar mais 10 anos”, afirma o juiz da 9ª Vara do Trabalho de Curitiba, Eduardo Baracat, responsável pelo processo.

Segundo ele, a bagunça administrativa encontrada na instituição, que era mantida pela Sociedade Evangélica Beneficente (SEB), era enorme. O processo de fim da intervenção só será viável, de acordo com Baracat, quando a instituição conseguir manter uma saúde administrativa. “Não adianta pagar as contas e deixar uma herança contábil que não seja confiável”, explica.

Trabalhistas

O hospital, cujo atendimento é destinado a 95% dos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), possui quase R$ 80 milhões só de dívidas trabalhistas sentenciadas nas 23 Varas do Trabalho da capital. “Tem um valor parecido a receber do Ministério da Saúde referente a uma quantia que não foi paga anos atrás”, conta Baracat. Foi entrado com um pedido junto à Justiça Federal para disponibilizar esse recurso para quitar os encargos trabalhistas.

Apesar das dificuldades atuais, a procuradora do trabalho Patrícia Blanc Gaidex afirma que se a intervenção for concluída imediatamente, há o risco do Evangélico fechar. “A importância do hospital para a sociedade fez com que tomássemos medidas para mantê-lo em funcionamento e motivou o pedido de intervenção”, lembra. Ela ressalta que não há registros oficiais de que a SEB ou as igrejas associadas tenham destinado dinheiro ao hospital.

Contra o tempo

Outra situação que preocupa são as dívidas que totalizam R$ 75 milhões oriundas de sete empréstimos bancários realizadas em gestões anteriores. O vencimento deste montante começa neste mês e o total a ser pago mensalmente é de R$ 2,3 milhões. O faturamento mensal da instituição é de R$ 9,5 milhões. Além disso, R$ 5 milhões devem ser destinados para pagar salários e honorários médicos.

“A conta não vai fechar e não existe recurso para isso. Temos ainda que pagar fornecedores e manutenção. A primeira conta que termina de pagar será daqui um ano e a última só em 2023”, relata o interventor Carlos Motta. Segundo ele, o objetivo atual é trabalhar para não fabricar mais prejuízos. “Temos que aprender a viver com o orçamento atual e não fazer mais empréstimos”.

Outras investigações estão em trâmite

Há inquéritos instaurados no Ministério Público do Paraná (MPPR), que atua em parceria com outros órgãos – como o Ministério Público Federal e o do Trabalho – que apuram eventuais outras irregularidades nas áreas de saúde e de patrimônio público do Hospital Evangélico

Um desses inquéritos civis públicos em trâmite no MPPR verifica denúncias a má gestão, a falta de pagamento de honorários, salários e tributos por parte da Sociedade Evangélica Beneficente, que era mantenedora do Hospital Evangélico.

Segundo o próprio interventor, Carlos Motta, há suspeitas de irregularidades que ele enviou para órgãos competentes. Um desses casos era a cobrança por parte de empresas que alegavam ter prestado determinado serviço, mas sequer tinham nota para comprovar. “Todas essas situações encaminhei a essa força-tarefa para apurar cada situação”, afirma.

Presidente da SEB culpa gestões anteriores e quer voltar ao Hospital

O presidente da SEB, João Jaime Nunes Ferreira, afirma que a má administração que resultou na intervenção é resultado de políticas adotadas em gestões anteriores da Sociedade. Ele ainda reforça o interesse da SEB em voltar a administrar o Evangélico. “A razão pela qual a SEB iniciou este serviço há mais de 70 anos permanece, que é o atendimento aos mais necessitados”, diz.

Ferreira alega que na sua gestão “a SEB entendeu que o modelo adotado pela gestão anterior, nos mais de 20 anos de duração, precisava ser rompido ao extremo”. “A causa preponderante [para a interdição] foi a demora na adequação da SEB ao modelo moderno de administração”, completa.

Segundo ele, é importante frisar também que não foi apenas a “desastrada condução política” de gestões anteriores que culminou com a atual situação, mas também a falta de reajuste da tabela paga pelo SUS aos serviços prestados. “É uma remuneração não condizente com os serviços prestados à população, em sua extremada maioria, usuários do SUS”.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE