i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Identidade

Idioma é ponte entre gerações

  • Por
  • 14/05/2010 21:09
Currículo da escola religiosa da cidade inclui holandês para crianças | Henry Milleo/Gazeta do Povo
Currículo da escola religiosa da cidade inclui holandês para crianças| Foto: Henry Milleo/Gazeta do Povo

Sentadas em um canto da sala ou da cozinha, durante a preparação de uma saborosa torta holandesa, as crianças ouvem atentamente as histórias contadas pelos mais velhos. É assim que elas viajam para as primeiras décadas da imigração ou para os tempos da Segunda Guerra, nas vozes de seus opa e oma (avô e avó), tudo falado em holandês.

Sem falar o idioma, elas dificilmente teriam contato tão direto com a história da colônia, de seus pioneiros e de como eles viviam na Holanda. "Eu gosto de ouvir as conversas dos mais velhos, eles contam muitas histórias antigas daqui e também da guerra. Quando meu opa era pequeno, uma vez entraram soldados na casa dele perguntando se tinha gente escondida e ele dizia em holandês que eles estavam atrás da cortina, mas os soldados não entendiam", diverte-se Vitória Goolkate, 12 anos. Outra que aproveita o idioma de origem para conhecer a vida dos ascendentes é Juliana Dijkstra. Um dos casos narrados pelo avô é o de um menino baleado quando olhava pela janela para ver se um tiroteio, durante a guerra, tinha acabado.

A língua é o fio condutor de uma trajetória que começou em 1911 e chega ao centenário da imigração comemorada como uma vitória por aqueles que batalham para manter as tradições dos imigrantes e preservar a identidade cultural. "Quando as crianças têm contato com a língua desde cedo, podem dar continuidade à preservação. Quando não têm esse contato, elas não vão manter o interesse pela história e pela cultura. Sem isso, o restante se perde", diz a imigrante Willemina de Geus.

Ângela Betenheuser é coordenadora do departamento de holandês da Escola Evangélica de Carambeí, que mantém, entre as disciplinas, o idioma dos pioneiros. Em toda a comunidade, pelo menos 50% falam holandês fluentemente. Os demais, compreendem o idioma. "Temos orgulho de dizer que conseguimos, durante 99 anos, manter a língua ativa. Sem ela, seria para nós uma perda muito grande", observa Ângela. Para Willemina, o significado da língua está diretamente ligado ao valor histórico da cidade. "Assim que a língua é extinta, a cultura, a música, a comida também são".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.