i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Terras

Índios pataxós conseguem vitória parcial no STF

  • PorAgência Estado
  • 24/09/2008 21:02
Os pataxós que foram a Brasília para a audiência do STF prestaram uma homenagem no monumento ao índio Galdino | Roberto Jaime/Reuters
Os pataxós que foram a Brasília para a audiência do STF prestaram uma homenagem no monumento ao índio Galdino| Foto: Roberto Jaime/Reuters

Brasília - Espelho do caso Raposa Serra do Sol, em Roraima, o processo sobre os limites da reserva indígena Pataxó Caramuru-Catarina Paraguaçu, no Sul da Bahia, obteve ontem uma vitória parcial. O Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar uma ação que pode resultar na anulação de títulos de propriedade concedidos a fazendeiros e posseiros na terra indígena pataxó. O relator do caso no STF, ministro Eros Grau, deu voto reconhecendo o direito dos índios a toda a área, estimada em 54 mil hectares. No local, vivem mais de 3 mil indígenas.

Depois do voto de Grau, o ministro Carlos Alberto Menezes Direito pediu vista, adiando a conclusão do julgamento da ação, que tramita há 26 anos no STF sem decisão. Direito foi também responsável pelo adiamento do julgamento da ação que definirá a demarcação da reserva Raposa Serra do Sol.

Ao pedir vista, o ministro estabeleceu uma conexão entre os dois casos: "Entendo que as questões (discutidas nesses processos) têm ligação; que elas partem, necessariamente, independentemente da questão dos títulos, da conceituação de terras indígenas", afirmou.

O advogado-geral da União José Antonio Dias Toffoli defendeu a anulação dos títulos de posse concedidos a fazendeiros e posseiros. "(A presença dos índios) É secular, tradicional e permanente, sobre qualquer perspectiva que se queira analisar", afirmou. Do outro lado, o advogado do estado da Bahia, Antonio José Teles, disse que os títulos de propriedade concedidos aos fazendeiros são legais. Segundo ele, um relatório do Ministério da Agricultura de 1960 concluiu que não existiam índios na região e que as terras não eram da União, mas do estado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.