i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ciência

Iniciam testes com bactéria que inibe transmissão da dengue

Pesquisadores da Fiocruz soltaram os mosquitos com a “arma” no Rio de Janeiro. É o primeiro teste do método nas Américas

  • PorGesli Franco, da sucursal de Maringá, e Estadão Conteúdo
  • 24/09/2014 21:04
Tubiacanga, na Ilha do Governador (RJ), recebeu os mosquitos com a bactéria Wolbachia | Fernando Frazão/ABr
Tubiacanga, na Ilha do Governador (RJ), recebeu os mosquitos com a bactéria Wolbachia| Foto: Fernando Frazão/ABr

Agente não sai pela saliva do inseto, portanto não chega aos humanos

A bactéria Wolbachia está presente em cerca de 60% dos insetos existentes, o pernilongo é um exemplo. Inicialmente, os cientistas esperavam que a bactéria reduzisse o tempo de vida do Aedes, mas descobriram que ela também afeta a reprodução e bloqueia a multiplicação do vírus. Conforme os pesquisadores, a Wolbachia é uma bactéria intracelular, que só pode ser transmitida de mãe para filho, no processo de reprodução dos mosquitos. Além disso, é maior que o canal salivar do mosquito. Ou seja, não sai pela saliva, meio pelo qual o homem é contaminado. Para garantir que não infecta seres humanos e animais domésticos, durante cinco anos, integrantes da equipe, na Austrália, alimentaram uma colônia de mosquitos com Wolbachia, usando seus próprios braços.

Saiba como evitar a formação de criadouros do Aedes aegypti e prevenir a proliferação da dengue:

Mantenha bem tampados caixas, tonéis e barris de água;

Coloque o lixo em sacos plásticos e mantenha a lixeira sempre bem fechada;

Não jogue lixo em terrenos baldios;

Se guardar garrafas de vidro ou plástico mantenha-as sempre com a boca para baixo;

Não deixe a água da chuva acumulada sobre a laje;

Encha os pratinhos ou vasos de planta com areia até a borda;

Se guardar pneus velhos em casa, retire toda a água e mantenha-os em locais cobertos, protegidos da chuva;

Limpe as calhas com frequência, evitando que galhos e folhas possam impedir a passagem da água;

Lave com água e sabão os recipientes utilizados para guardar água, pelo menos uma vez por semana;

Os vasos de plantas aquáticas devem ser lavados com água e sabão, toda semana. É importante trocar a água desses vasos constantemente.

  • Moradores de Maringá estão recebendo mudas de critonela, planta repelente de mosquito

Uma nova aposta para combater o vírus da dengue foi lançada ontem pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro. O método consiste em infectar os mosquitos transmissores com a bactéria Wolbachua, que bloqueia o vírus no Aedes aegypti, impedindo sua transmissão ao ser humano. As gerações seguintes do inseto também já nascem infectadas pela bactéria, acabando pouco a pouco com a proliferação da doença. Este é o primeiro teste no continente americano. Austrália, Vietnã e Indonésia já têm pesquisas em andamento.

Os pesquisadores explicam que como o método se torna autossustentável, o Aedes Wolbachia ganha predominância na natureza, sem que os pesquisadores precisem liberar insetos contaminados a todo momento. Registros feitos na Austrália, por exemplo, deram resultados em cerca de 10 semanas.

"Estamos diante de uma estratégia científica inovadora e segura, que poderá contribuir para o controle da dengue e para a melhoria da saúde da população", pontuou o pesquisador da Fiocruz Luciano Moreira, líder do projeto no Brasil. Ele integrou a equipe de cientistas que fez as descobertas na Austrália, em 2008.

Plano de ação

No Brasil, uma média de 10 mil mosquitos serão lançados semanalmente na natureza durante quatro meses. O primeiro local escolhido foi Tubiacanga, na Ilha do Governador (RJ). Os próximos a receberam a infestação dos insetos também já foram selecionados: os bairros da Urca e Vila Valqueire, no Rio de Janeiro, e de Jurujuba, em Niterói. Para apaziguar o incômodo causado pela quantidade de mosquito, a secretaria municipal de Saúde trabalha em campanha para eliminar os criadouros.

O projeto Eliminar a Dengue: Desafio Brasil foi lançado no Rio de Janeiro, em 2012. Nesses dois anos, os pesquisadores capturaram Aedes aegypti nos locais que servirão de testes, estudaram essas regiões e criaram os mosquitos contaminados em laboratório. Depois de lançados em Tubiacanga, os cientistas poderão avaliar a capacidade dos mosquitos com a bactéria se estabelecerem no meio ambiente e se reproduzirem com os mosquitos locais.

Cautela

Apesar do avanço, o doutor em virologia e doenças parasitárias e professor da Universidade Estadual de Maringá (UEM) Denis Bertollano alerta que ainda é muito cedo apostar todas as fichas em um experimento para conter uma doença como a dengue. Para ele, no Brasil, um país continental, mesmo que os testes alcancem 100% de eficácia, levará tempo para que a solução chegue a todos os municípios e consiga dizimar o vírus. "A vacina seria algo rápido, como ainda está apenas em fase de teste, a prevenção da população continua sendo o remédio. Métodos como estes testados pela Fiocruz precisam ser vistos para o futuro, não é algo imediato."

Neste ano, no Brasil, foram registradas 511.080 notificações de janeiro a 9 de agosto de 2014, de acordo com o Ministério da Saúde – 295 pessoas morreram. A Região Sul é a quarta em número de casos (24.432 ou 4,8% do total). Já o Paraná registrou 18.824 casos e 9 mortes até julho. No atual levantamento, que corresponde ao período de 31 de agosto a 4 de setembro, são 1.928 notificações, 48 confirmações e nenhuma morte.

Maringá mostra interesse em participar do teste

Maringá, no Noroeste do Paraná, enfrenta uma epidemia de dengue neste ano. Até o momento, são 3.588 casos confirmados, 7.486 notificados e 3 mortes pela doença, de acordo com a secretaria municipal de Saúde. Alarmados com o problema, os vereadores lançaram até uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar as responsabilidades do problema.

Como conclusão, o relatório concluiu que a "ineficiência nos serviços de limpeza e de prevenção da proliferação de focos do mosquito por parte da prefeitura" é a principal causa da epidemia. Diante da situação, o secretário municipal de Saúde, Antônio Carlos Nardi, diz que o método utilizado pela Fiocruz seria muito bem vindo no município.

"Sabemos que por enquanto é um estudo e ele precisa evoluir. É necessário que o resultado seja positivo também em grande escala, e é claro que seria muito bem vindo para podermos conter a proliferação aqui [em Maringá]. Temos interesse, vamos aguardar", ressaltou.

Embora a ciência venha trabalhando constantemente para conter ou liquidar o mosquito, Nardi lembra que a população não pode se descuidar da prevenção. "Enquanto não houver conscientização e mudança de comportamento, continuaremos a sofrer com a dengue."

Nesta semana, a prefeitura de Maringá, em parceria com a Unimed, lançou a campanha "Plantando Saúde", em que 10 mil mudas de citronela, planta utilizada como repelente do mosquito, serão entregues à população para reforçar os cuidados contra o mosquito.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.