i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Curitiba

Intervenção em bosque não tem respaldo legal

Área onde fica o bosque da Casa Gomm é tombada pelo patrimônio estadual. Acordo entre prefeitura e shopping prevê derrubada de árvores para fazer conexão entre ruas

  • PorRaphael Marchori
  • 27/06/2013 21:07
A histórica Casa Gomm fica dentro do bosque tombado | Marcelo Andrade/ Gazeta do Povo
A histórica Casa Gomm fica dentro do bosque tombado| Foto: Marcelo Andrade/ Gazeta do Povo

O Conselho Estadual de Patrimônio Histórico e Artís­­tico (Cepha) do Paraná afirmou que o Grupo Soifer, responsável pela construção do shopping Pátio Batel, não tem autorização para realizar a conexão entre as Ruas Hermes Fonseca e Bruno Filgueira, em Curitiba. A intervenção derrubaria árvores do bosque da Casa Gomm, patrimônio tombado pelo governo estadual.

"Fomos tomados de surpresa com a notícia da remoção das árvores. Mas o secretário [de Cultura] Paulino Viapiana já encaminhou um ofício ao prefeito Gustavo Fruet alertando para o fato que a área é tombada e de que qualquer alteração de projeto tem de ser analisada pelo Cepha", afirmou Rosina Parchen, chefe da Coordenação do Patrimônio Cultural. De acordo com ela, há um projeto do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano (Ippuc), de 2003, que fazia parte das negociações com o shopping para melhoria urbana do entorno do bosque. Esse documento, porém, não permitia a abertura de uma rua para fluxo constante de carros. "A ideia era criar uma praça, cercada por gradil. Haveria uma rua de emergência, para trânsito de emergência, com apenas cinco metros de largura e piso de concregrama". O posicionamento do Cepha ocorreu um dia depois de a Gazeta do Povo mostrar que um acordo entre a prefeitura de Curitiba e o Grupo Soifer permitiria o corte de árvores do bosque. "Bosque tombado, é área tombada. Não e possível cortar árvores", resume Rosina.

Reação

Ontem, moradores do Residencial Batel protocolaram na Secretaria Municipal do Meio Ambiente pedido de análise do projeto inicial do shopping e explicações sobre o corte de árvores do bosque da Casa Gomm. A prefeitura confirmou o recebimento do documento e disse que o analisará, mas não especificou um prazo para resposta.

O grupo Soifer pretende realizar duas obras viárias que devem mudar o tráfego e a paisagem da região do Batel. Além da ligação das ruas Hermes Fontes e Bruno Filgueira, está previsto o prolongamento do binário da Avenida Vicente Machado com a Alameda Doutor Carlos de Carvalho.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.