i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Luto

Jornalista morre atropelado por ônibus

Victor Folquening tinha 38 anos e marcou sua carreira jornalística pelo estilo arrojado e criativo

  • PorOsny Tavares
  • 31/01/2012 21:08
Atualmente, Victor se dedicava ao ensino de jornalismo: professor na Unibrasil |
Atualmente, Victor se dedicava ao ensino de jornalismo: professor na Unibrasil| Foto:

Um acidente de trânsito no início da tarde de ontem matou o jornalista e professor Victor Folquening, de 38 anos, ex-repórter da Gazeta do Povo e professor no curso de Jornalismo das Faculdades Integradas do Brasil (Unibrasil). Folquening foi atropelado por um ônibus biarticulado próximo à sua casa, na esquina das ruas Sete de Setembro e Ângelo Sampaio, no bairro Batel, em Curitiba. O jornalista foi levado com vida ao pronto-socorro do Hospital Evangélico, mas não resistiu aos ferimentos. Estudantes, colegas de profissão e amigos lamentaram o fato pelas redes sociais.

Trajetória

Victor Emanoel Folquening nasceu em Ponta Grossa, em 1973, e estudou Jornalismo na Univer­sidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Ainda como acadêmico, no início dos anos 1990, iniciou carreira na im­­prensa escrita da cidade, trabalhando em jornais locais e fazendo contribuições para veículos alternativos.

Após a formatura, ingressou na Gazeta do Povo e passou a trabalhar na sucursal de Ponta Grossa – inicialmente como repórter e, mais tarde, como chefe da equipe. Na Gazeta, se destacou pelo estilo arrojado e criativo com que abordava os assuntos. Para provar que a prefeitura da cidade estava expulsando mendigos, vestiu-se com uma roupa suja, enxaguou a boca com cachaça e foi dormir na praça central da cidade. Pouco depois, foi colocado em um ônibus da frota pública e levado até a rodoviária de Curitiba junto com outros moradores de rua. Um de seus trabalhos mais importantes na Gazeta foi uma investigação sobre o envenenamento de trabalhadores rurais em barracões de fumo de Piraí do Sul, nos Campos Gerais.

Também pela UEPG, tornou-se mestre em Ciências Sociais Aplicadas e passou a se dedicar exclusivamente à carreira acadêmica. Primeiramente, como professor no curso de Jornalismo da própria UEPG. Mais tarde, mudou-se para Curitiba, onde se tornou professor na Univer­sidade Positivo.

A principal característica lembrada por seus alunos era a amplitude de seu conhecimento – ministrava aulas de Teoria da Comunicação, História da Arte, Cinema e Estética e Cultura de Massa. Cinéfilo e ouvinte fanático de jazz, discorria sobre os dois assuntos com paixão, além de participar de debates e escrever artigos sobre os temas. Desen­­volveu vários projetos literários e teatrais. É autor do livro O Jornalismo é um Humanismo, referência e fonte de consulta entre estudantes de graduação na área.

Em 2006, deixou a Univer­sidade Positivo para assumir o cargo de coordenador do curso de Jornalismo na UniBrasil, onde se notabilizou por desenvolver programas culturais para estudantes, entre eles o Grutun! (Grupo de Teatro Universitário), além de tevê e radioweb da instituição.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.