i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Justiça

Juiz multa advogado que abandonou plenário do julgamento do Carandiru

Defensor acusou juiz de ser parcial. Novo julgamento foi remarcado para o dia 31 de março

  • PorFolhapress
  • 24/02/2014 17:20

O juiz responsável pelo julgamento do massacre do Carandiru aplicou multa de R$ 50.680,00 ao advogado Celso Vendramini, responsável pela defesa de 15 policiais militares acusados da morte de oito detentos.

A decisão se deu após o advogado abandonar o plenário, levando o juiz Rodrigo Tellini Camargo a dissolver o conselho de sentença e cancelar o julgamento.

O valor arbitrado, de acordo com Camargo, se deve a alta complexidade e o custo para o Estado em realizar o júri. Cabe recurso da decisão, segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo.

Acusação

Na última terça-feira (18), segundo dia do julgamento, Vendramini deixou o plenário e acusou o juiz Rodrigo Tellini Camargo de ser "parcial".

O advogado mostrou-se irritado quando a acusação leu trechos do depoimento antigo de um dos réus e pediu ao juiz que interrompesse a leitura. O magistrado não acatou.

Vendramini, então, retirou-se. "Estou abandonando o plenário em protesto a esse tipo de inquisição", disse.

"Ele [juiz] estava tendenciando para o Ministério Público. Ontem, ele ficou 40 minutos trancado com os jurados numa sala sozinho, e não deve fazer isso, porque isso causa suspeita. Hoje foi a gota d'água. Estou cansado", disse, após deixar o plenário.

Na ocasião, o advogado negou que sua saída do júri tenha sido estratégica.

Para a acusação, porém, a atitude do advogado se deu porque as provas favoreciam o Ministério Público.

Nova data

O novo julgamento foi remarcado para o dia 31 de março, às 9 horas. Nele, 15 policiais militares do Comando de Operações Especiais (COE) responderão pela morte de oito detentos e a tentativa de homicídio de outros dois.

A decisão do juiz, publicada nesta segunda-feira (24), nomeou ainda como defensor dativo o advogado Fábio Tofic Simantob. O documento ressalta que Simantob só assumira a defesa dos réus "na hipótese de ausência ou novo abandono do defensor constituído".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.