i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
operação "Pedra Bonita"

Justiça absolve policiais federais acusados de matar PM no Rio

  • PorEstadão Conteúdo
  • 25/09/2014 16:44

A Justiça Federal do Rio de Janeiro absolveu, na quarta-feira (24), quatro policiais federais da acusação de assassinato do policial militar Evaldo Lopes Júnior, conhecido como Rambo, que seria integrante de um grupo de extermínio no município de Itaboraí, na região metropolitana do Rio.

A morte de Rambo ocorreu durante a operação "Pedra Bonita", em outubro de 2005. Os policiais federais Bruno Cruz, Décio de Santana, Ricardo Pereira e Wladimir Soares trocaram tiros com Rambo quando esse resistiu à prisão - um outro policial federal que participava da ação, Lincoln Moreira Neto, foi baleado pelo PM.

O laudo pericial feito pelo Instituto Médico Legal de Itaboraí na época apontou que Rambo foi morto com seis tiros, sendo um tiro a queima roupa, na têmpora esquerda.

O laudo levou o Ministério Público Federal a acusar os policiais federais de execução, mas, durante o processo, o juiz pediu a exumação do corpo e outros laudos periciais foram realizados. Um deles, realizado por peritos do Hospital Central do Exército, descartou a possibilidade de o tiro ter sido à queima-roupa.

Na sua decisão, o juiz Walner de Almeida Pinto narra a versão da troca de tiros apresentada pelos policias federais e afirma que são profissionais treinados pelo COT (Comando de Operações Táticas), acostumados com ações dessa natureza.

"[Os policiais] agiram em legítima defesa, haja vista que Evaldo resistiu à prisão, atirou contra eles minutos antes, chegando a atingir o policial Lincoln e, ao sair de dentro de casa, pela porta dos fundos, após ter sido deflagrada uma bomba de gás lacrimogêneo no interior de sua residência, o fez com revólver em punho e posição de tiro, não atendendo a ordem dos policiais de largar a arma, o que deixou patente sua resistência à prisão e a iminente agressão."

Após a operação, os policias federais estavam aguardando a decisão do processo em liberdade e lotados em outras unidades, fora do Rio de Janeiro.

A reportagem não conseguiu contato com a defesa dos agentes.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.