i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Condenação

Justiça condena ex-prefeito alagoano por homicídio

Crime ocorreu em em 2003. Segundo o processo, vítima havia denunciado desvio de verbas do Fundef

  • PorAgência Estado
  • 22/03/2013 14:47

O ex-prefeito de Satuba (AL), Adalberon de Moraes, foi condenado pela 2ª Vara do Tribunal do Júri de Maceió a 34 anos e quatro meses de prisão, na noite da quinta-feira (21), pela morte do professor Paulo Bandeira, ocorrida em 2003. Ele é acusado de ser o autor intelectual de homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, emprego de meio cruel e uso de recursos que impossibilitaram a defesa da vítima), ocultação de cadáver e sequestro. A condenação foi em primeira instância e a defesa recorreu da decisão.

O crime foi motivado, segundo a promotoria, pelo fato de Paulo Bandeira ter denunciado desvios de recursos do Fundo de Nacional de Valorização e Desenvolvimento do Ensino Fundamental (Fundef) durante a administração de Adalberon.

Um relatório da Controladoria Geral da União (CGU), diz o promotor do caso, Marcus Aurélio Mousinho, revelou desvios de R$ 1,2 milhão durante a gestão do ex-prefeito, que foi condenado por este crime e está preso em um presídio de Maceió.

Bandeira desapareceu em 2 de junho de 2003, logo depois de ter saído da sede da prefeitura da cidade. Seu corpo foi encontrado dois dias depois, totalmente carbonizado e acorrentado ao banco de um veículo. Bandeira deixou registrado em carta e relatou à sua mulher que temia retaliações. O assassinato teve repercussão internacional pela crueldade e pela vítima ter sido morta após denunciar irregularidades na administração pública.

O mesmo tribunal também condenou como executores do crime Ananias de Oliveira Lima (31 anos de prisão) e Augusto Campos Silva (28 anos e 8 meses). Eles realizavam a segurança do ex-prefeito. Marcelo José dos Santos, ex-chefe de gabinete de Adalberon e réu no processo, foi absolvido.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.