Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
No começo de fevereiro, o Exército precisou fazer a segurança das ruas de Vila Velha. | Tânia Rêgo/Agência Brasil
No começo de fevereiro, o Exército precisou fazer a segurança das ruas de Vila Velha.| Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

A Corregedoria da Polícia Militar do Espírito Santo está em busca de três policiais militares que tiveram a prisão autorizada pela Justiça militar, acusados de participação no motim que deixou diversas cidades capixabas sem policiamento desde o início do mês. Um quarto mandato de prisão, do tenente-coronel Carlos Alberto Foresti, foi cumprido no fim da tarde deste sábado (25), após o policial militar se entregar.

Leia também: Ex-moradora de Curitiba, chef relata terror e “guerra civil” no Espírito Santo

Os outros três policiais procurados são o capitão da reserva Lucinio Castelo de Assumção, o sargento Aurélio Robson Fonseca da Silva e o soldado Maxsom Luiz da Conceição.

Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança do Espírito Santo, o tenente-coronel Foresti se apresentou na unidade da PM do Rio em Itaperuna, cidade próxima da divisa entre os dois estados, e foi encaminhado para o Presídio da PM do Espírito Santo, em Vitória.

Na manhã de sábado (25), as mulheres que representam o movimento de familiares que paralisou o policiamento no Espírito Santo por 23 dias, fazendo bloqueios nas entradas de batalhões da PM, decidiram acabar com o movimento, após nove horas de reunião, no Ministério Público do Trabalho capixaba (MPT-ES), com representantes do governo estadual e da Justiça. Com isso, desde o meio-dia de sábado (25), foram desobstruídas as entradas de todos os batalhões que ainda tinham bloqueios.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]