i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
aedes aegypti

Lesões oculares provocadas pelo zika são mais agressivas, dizem médicos

    • Folhapress
    • 11/01/2016 19:55
     | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
    | Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

    Além da microcefalia, o vírus zika provoca lesões oculares mais graves do que em outras doenças, causando danos irreversíveis à visão. A conclusão é de um grupo de médicos especialistas, que participou nesta segunda-feira (11) de uma avaliação de 55 crianças pernambucanas com suspeita de microcefalia.

    O trabalho faz parte de um estudo inédito realizado por médicos da Fundação Altino Ventura (FAV), no Recife (PE), em parceria com a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

    “São problemas semelhantes aos causados por outros vírus, como sífilis, rubéola e citomegalovírus. No caso do zika tanto as ‘cicatrizes’ quanto os casos de pigmentação são muito mais agressivas do que as outras alterações já conhecidas na literatura”, afirma Camila Ventura, oftalmologista e coordenadora da pesquisa.

    A pesquisa, fruto do desenvolvimento de uma tese de doutorado, foi publicada, na última sexta-feira (8), na revista científica britânica Lancet, uma das mais conceituadas na área.

    O trabalho brasileiro identificou que o vírus zika é capaz de provocar quatro tipos de lesão em quatro regiões distintas do globo ocular. Além da mácula (área central da retina) e a coróide, que é responsável pela nutrição do olho, o agente infeccioso pode comprometer a retina e o nervo óptico.

    Dos 50 bebês analisados, em 40 foram confirmadas a microcefalia, de acordo com os critérios da OMS (Organização Mundial de Saúde).

    “Vimos que, desses 40 bebês, de 30% a 40% apresentaram algum desses problemas. É uma porcentagem alta, para se ter ideia temos um caso, por ano, de lesão ocular causado pela presença de rubéola”, diz a presidente da FAV, Liana Ventura.

    O professor da Unifesp e orientador da tese, Maurício Maia, explica que essa primeira fase da pesquisa se preocupou em avaliar os danos causados pelo zika na anatomia do olho. “Ainda estamos buscando saber o real impacto na qualidade visual do paciente. Mas acredito que, no caso de uma atrofia na mácula, por exemplo, essa criança não tenha mais do que 3% da visão”, afirma.

    Para Maia, o que deve ser feito é um estímulo “mais precoce possível” da visão dessas crianças. “É preciso estimular as áreas ao redor do centro do olho para que também capte as imagens. Em alguns casos poderá ser preciso usar óculos que ajudem nesse desvio da captação”, diz.

    NOVA FASE

    Conhecido desde 1947, o vírus zika foi pouco estudado e, por isso, apenas a Alemanha possui a sorologia capaz de identificar a presença do agente no corpo humano depois da fase aguda da infecção (primeiros cinco dias).

    Na segunda etapa do estudo, os pesquisadores vão tentar provar cientificamente a transmissão vertical, ou seja, de mãe para filho. Essa fase contará com a ajuda da filial do Instituto de Medicina Tropical de Hamburgo, na Espanha.

    De acordo com o professor, a próxima hipótese a ser confirmada é que a gravidade da infecção pelo zika é maior no primeiro trimestre de gestação e menor no último. “São nos primeiros três meses que nossos olhos são formados. Acreditamos que, nessa fase, o vírus cause danos mais graves, mais complexos. Entretanto, todos são preocupantes”, diz Maia.

    As mães também tiveram o sangue analisado e os olhos examinados. No entanto, até o momento, não foram encontradas as lesões.

    ACOMPANHAMENTO MULTIDISCIPLINAR

    Ao todo, 79 crianças com suspeita de microcefalia foram atendidas em dois mutirões realizados pela FAV.

    Para Susana Lima, 24, mãe de Wilian Gabriel, de um mês, a oportunidade é um alívio depois do susto do diagnóstico de microcefalia. “Não foi fácil descobrir no parto que meu filho tinha microcefalia. É muito bom saber que ele vai ter o acompanhamento completo, de qualidade e de graça”, diz a técnica de estética.

    Pernambuco continua no topo do ranking de casos suspeitos de microcefalia no país. O último balanço divulgado pela Secretaria de Saúde de Pernambuco revelou que, até o dia 2 de janeiro, foram notificados 1.185 casos da anomalia.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.