i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
educação

Mais da metade dos alunos não aprende o que deveria

Estudantes do 2º e 3º ano não compreendem o conteúdo em disciplinas básicas. Desigualdade no ensino entre as regiões do país ainda é grande

  • PorJônatas Dias Lima
  • 25/06/2013 21:04
 |
| Foto:

Boletim

Paraná tira nota vermelha em leitura e escrita

Com base na redação feita pelos estudantes, a habilidade em escrita foi avaliada pela Prova ABC. No Paraná, apenas 35,8% dos alunos das redes pública e privada tiveram desempenho satisfatório, acima dos 75 pontos. O índice cai para 32,1% quando se trata apenas da rede pública.

Os estados que apresentaram mais alunos com acima dos 75 pontos foram Goiás (42%), Minas Gerais (41,6%) e São Paulo (39,3%) e os estados com menor porcentual foram Pará (11,6%), Maranhão (13%) e Piauí (16%).

Em leitura, o porcentual de alunos que atingiram 175 pontos ou mais no 3º ano foi de 44,5%, considerando redes pública e privada. A Região Norte apresentou o menor porcentual, 27,3%, e a Região Sudeste o maior, 56,5%.

Na comparação por estados, as diferenças são ainda maiores: São Paulo (60,1%), Minas Gerais (59,1%) e Distrito Federal (55%) apresentam os melhores resultados, enquanto Alagoas (21,7%), Pará (22,2%) e Amapá (22,8%), apresentam os menores porcentuais. O Paraná alcançou uma posição intermediária, registrando o índice 48,4% quando se consideram as duas redes, e 43,4% quando se trata apenas do ensino público.

O resultado da Prova ABC, divulgado ontem pelo movimento Todos pela Educação mostra que mais da metade dos alunos brasileiros não aprende o que se espera em matemática, leitura e escrita até os 8 anos de idade. A pesquisa também põe em evidência a discrepância entre a aprendizagem dos alunos de diferentes regiões do país.

Entre os estudantes do 3.º ano do ensino fundamental, por exemplo, somente 23,4% dos alunos da rede pública na Região Norte superou a faixa do que se considera o nível de habilidade adequado na leitura de textos. No Sudeste, esse número salta para 52,8%. Outros dados também mostram desigualdade semelhante em habilidades matemáticas e de escrita. Em comparação com o resto do país, o Paraná alcançou índices medianos.

INFOGRÁFICO: Desempenho de aprendizagem dos estudantes do 3º e 2º ano do fundamental

A avaliação é promovida por uma parceria entre o Todos Pela Educação, a Fundação Ces­­granrio, o Instituto Pau­­lo Montenegro/Ibope e o Inep. Aplicado no final de 2012, foram avaliados 54 mil alunos de 1,2 mil escolas públicas e privadas distribuídas em 600 municípios brasileiros. Metade da amostra é de alunos do 2.º ano e a outra metade do 3.º ano, ano considerado limite para a alfabetização de acordo com o recém-lançado Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (Pnaic).

São usadas como referência as escalas do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb). A partir dessa escala, a Prova ABC considera como nível de proficiência adequado o nível 175, tanto na escala de leitura como de matemática. Como o Saeb não avalia a habilidade de escrita, foi utilizada uma escala própria, de 0 a 100, dentro da qual o índice de aprendizagem considerado adequado partiria dos 75 pontos.

Matemática

Em relação ao nível de proficiência dos alunos em matemática, 60% dos estudantes paranaenses da rede pública chegaram apenas à faixa mais básica de domínio. Outros 33,6% alcançaram um desempenho intermediário e apenas 6,4% aprenderam o esperado. Esse último índice é o mais baixo da Região Sul, mas superior aos resultados de outros dez estados. A média nacional da rede pública foi de 12% dos alunos com índice superior a 175 pontos.

Considerando os alunos do 3.º ano, o porcentual de alunos com proficiência adequado é expressivamente maior. No Paraná, 31,4% ultrapassaram os 175 pontos.

Prova ABC expõe carências do sistema brasileiro

Desigualdades sociais e pouca atenção à educação infantil são causas do índice baixo, dizem analistas. Para Priscila Cruz, diretora executiva do Todos pela Educação, o resultado comprova, mais uma vez, a dificuldade do sistema educacional brasileiro em proporcionar um nível de aprendizagem adequado a, pelo menos, a maior parte dos estudantes. "Temos menos da metade das crianças com essas três competências consolidadas, e elas são muito importantes para que a criança continue a aprender nos anos seguintes", diz Priscila, referindo-se às habilidades de leitura, escrita e matemática.

Para a professora do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas do Brasil (UniBrasil), Meire Donata Balder, os números também não surpreendem, já que reforçam o que outros exames do MEC ou o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA) têm mostrado há anos.

Para ela, uma das causas que mais influenciam os baixos índices da educação básica é pouca atenção dada à Educação Infantil até alguns anos atrás. "A educação infantil ainda é vista mais como um direito à mãe que trabalha do que um direito da criança, que precisa de acompanhamento escolar para se desenvolver. Isso precisa mudar", diz.

"Iniciativa acertada"

O consultor educacional Renato Casagrande concorda com a importância da educação infantil no processo de alfabetização e considera o Pnaic uma iniciativa acertada do governo, mas cujos resultados só devem aparecer dentro de pelo menos três anos.

Sobre a diferença nos índices educacionais dos estados, Casagrande diz que se trata de um problema diretamente atrelado à desigualdade social. "É muito difícil fazer gestão da educação num país tão grande como o nosso, principalmente contando com regiões como o Norte e o Nordeste, que apresentam indicadores ruins em praticamente todas as áreas", diz.

A respeito do desempenho do Paraná, o educador lamenta a falta de destaque do estado, com desempenho inferior ao de seus vizinhos no Sul.

Para ele, embora Curi­tiba sempre alcance boas posições no Índice de Desenvolvimento da Edu­cação Básica (Ideb), o restante do estado não acompanha a capital. Segundo o consultor educacional, a solução passa por uma melhoria contínua na formação de professores e gestores escolares.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.