i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Mudança

Com prefeito afastado pela Justiça, vice assume a Prefeitura de Sarandi

O prefeito, o secretário de Educação e outros dois servidores são acusados de envolvimento em esquema de fraude em licitações

  • PorMarcus Ayres
  • 28/01/2013 07:33

Secretário de Educação de Sarandi já foi preso neste mês

O secretário de Educação de Sarandi, Antonio Manoel Mendonça Martins, ficou preso por seis dias por suposta participação em um esquema de fraudes em licitações. Depois de 21 de janeiro, quando deixou a cadeia, ele reassumiu a pasta, mas logo foi afastado pela Justiça.

A prisão de Martins fez parte da Operação Quadro Negro. "Ele, como secretário, tinha participação nas fraudes de licitações. Seria um dos líderes, com poder de deliberação, já que assinava os documentos para diversas situações", declarou o tenente Gustavo Rodrigo Rodrigues da Costa Silva, do Gaeco de Londrina, na ocasião da prisão.

No dia em que reassumiu o cargo, a assessoria de imprensa da prefeitura divulgou que Martins iria responder em liberdade à acusação de fraude em licitação.

O vice-prefeito de Sarandi, Luiz Carlos de Aguiar (PPS), assumiu o Executivo na manhã desta segunda-feira (28), depois de o prefeito Carlos Alberto de Paula (PDT) ser afastado do cargo pela Justiça, por suspeita de participação em esquema de fraude em licitações. A cerimônia realizada na Câmara Municipal durou cerca de dez minutos.

De acordo com Aguiar, uma mudança deverá ocorrer na Secretaria da Educação, já que uma pessoa será indicada para assumir interinamente o cargo de titular da pasta. O secretário Antonio Manoel Mendonça Martins também foi afastado pela Justiça, juntamente com outros dois servidores municipais, sob a mesma acusação de participação em fraude de licitações.

"Ainda vamos sentar para fazer o decreto indicando um novo nome [para assumir a Secretaria de Educação]. Vamos dar continuidade às obras da administração, como a construção do reservatório de água e do posto de saúde do Jardim Universal. A prefeitura não pode parar", declarou.

A posse de Aguiar foi confirmada na tarde de sexta-feira (25), em uma reunião envolvendo a mesa diretora e a equipe jurídica do Legislativo. O vice-prefeito poderia ter assumido o cargo ainda na semana passada, mas como não havia sido localizado a tempo, a cerimônia foi marcada para o início desta semana.

Irregularidades

Os afastamentos do prefeito Carlos de Paula, do secretário Antonio Manoel Mendonça Martins e de dois servidores foi decidido pela 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR). A decisão é decorrente da Operação Quadro Negro, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) em 11 de janeiro, com apoio de equipes dos estados de Santa Catarina, Distrito Federal e Minas Gerais.

Segundo o coordenador do Gaeco no Paraná, o promotor Leonir Batisti, empresários de institutos de educação aliciavam prefeituras, oferecendo serviços como consultoria e pesquisas. A licitação era direcionada a essas empresas a preços acima dos praticados pelo mercado. Segundo as investigações, os serviços eram desnecessários ou nem sequer prestados.

Ainda de acordo com Batisti, há indícios de que o prefeito de Sarandi tinha conhecimento das irregularidades. "Ele [de Paula] determinou a anulação de uma primeira licitação que tinha sido ganha por uma empresa que não era deste grupo para que fosse feita uma segunda licitação que estava dirigida para uma empresa do grupo ganhar", explicou em entrevista à RPC TV.

Em Sarandi, a licitação considerada irregular seria para fazer um levantamento da situação das escolas do município. Para isso, uma empresa de Minas Gerais seria contratada e receberia R$ 260 mil pelo serviço.

A operação, contra fraudes em licitações na área da educação, já expediu 11 mandados de prisão e outros 11 mandados de busca e apreensão no Paraná (além de Sarandi, os outros são para os municípios de Lapa, Araucária, Palmeira e Curitiba) e nos estados de Santa Catarina, Minas Gerais e no Distrito Federal.

Prefeito promete recorrer

Em nota encaminhada à imprensa, a assessoria de comunicação informou que de Paula se mostrou surpreso com a medida judicial. "O prefeito de Sarandi, Carlos Alberto de Paula Junior, surpreende-se com a decisão de afastamento do cargo tendo em vista que nenhum erro ou irregularidade foi confirmado no processo licitatório."

O comunicado também informou que o prefeito já está providenciando as medidas judiciais cabíveis para garantir o retorno ao cargo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.