i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Epidemia

Médicos não sabem diagnosticar Guillain-Barré, diz especialista

Doença é uma das consequências da infecção pelo zika vírus

    • Agência O Globo
    • 09/02/2016 08:31

    Especialista em síndrome de Guillain-Barré, o professor titular de neurologia da Universidade Federal Fluminense (UFF) Osvaldo Nascimento está preocupado com o diagnóstico da doença à medida que avança a epidemia de zika. Nascimento, cuja equipe já atendeu a 16 pacientes com a síndrome associada à infecção pelo zika só em janeiro, diz que o diagnóstico é complexo, e muitos médicos não sabem identificar corretamente todas as variantes.

    “A polirradiculoneuropatia ou síndrome de Guillain-Barré recebeu nova classificação. E muitos médicos têm dificuldade de reconhecer todas as suas manifestações clínicas. Isso é muito grave no momento em que surgem casos associados ao zika. Temos visto um maior número de pacientes com esse quadro e alguns apresentam complicações mais severas que o quadro clássico”, afirma Nascimento, que é presidente da Associação de Neurologia do Estado do Rio (Anerj)

    É o caso do professor de química Jonas Antônio Ávila França Júnior. Aos 33 anos, ele está internado na UTI do Hospital Universitário Antônio Pedro, da UFF, em Niterói. Jonas manifestou os sintomas de Guillain-Barré poucos dias após apresentar um quadro de zika, no início de janeiro. Paralisado, ele movimenta apenas os olhos e respira com a ajuda de aparelhos.

    “O caso dele mostra comprometimento do sistema nervoso central. Temos que investigar se há relação entre zika e casos assim”, diz Nascimento.

    A síndrome de Guillain-Barré costuma começar com sensação de dormência, formigamento ou agulhadas nos pés. A pessoa sente fraqueza. “Isso pode durar um dia, o tempo varia. Mas, em geral, depois a síndrome acomete os braços e chega à face. A pessoa passa a não conseguir fechar os olhos direito. Ela também perde os reflexos profundos. Se tocarmos no joelho, no teste clássico, ela não responde”, diz Nascimento.

    Nos casos severos, a síndrome causa problemas renais, respiratórios e cardíacos. E pode chegar a provocar encefalite, quando acomete o sistema nervoso central. Embora provoque paralisia, Guillain-Barré também pode vir acompanhada de dores intensas.

    “É uma doença muito séria e esses pacientes precisam ser logo atendidos. Isso faz diferença no risco de morte e de sequelas e na recuperação. E quanto mais rápido for o avanço dos sintomas, pior o prognóstico”, diz o neurologista.

    Ele frisa que a suspeita de que o zika possa provocar casos de Guillain-Barré torna urgente a melhora no diagnóstico e no atendimento. “Infelizmente, não é isso que temos visto.”

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.