A presidente Dilma Rousseff disse em entrevista no Riocentro que a Rio+20 é "um ponto de partida e não ponto de chegada". Para ela, o documento final da conferência foi o possível, mas "é óbvio que não atende" à prática brasileira. "Somos, talvez, o país mais avançado no gasto ambiental, mas não posso medir todos os países com a medida do Brasil. O multilateralismo se respeita. Pode querer diferente, mas se não deu, não pode criticar [o consenso]."

A entrevista foi concedia pouco antes de a presidente discursar na sessão de encerramento da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, no Rio de Janeiro.

Para Dilma, o que se fez no Rio foi construir "consensos históricos". A presidente disse que o documento "O futuro que queremos" não limita a ação dos países. "A partir deste momento, as nações devem avançar. Ninguém pode ficar aquém, todos devem e podem ir além dessa posição. Isso significa que a próxima conferência tem que dar um passo à frente."

A presidente disse que a Rio+20 teve "ampla participação" da sociedade civil como nunca antes em outras conferências da ONU. Confrontada com as críticas que recebeu do terceiro setor, disse: "Eu vejo com normalidade a reação da sociedade civil; o que está acontecendo aqui é um a conferência de países soberanos". E mais: "É óbvio que as ONGs podem fazer um documento" delas, mas "nós construímos um espaço para escutá-las".

Dilma lembrou que numa outra conferência sobre desenvolvimento sustentável, em 2010, em Copenhague, "não houve consenso nenhum". Daí a razão de ela achar a Rio+20 um avanço por ter um documento formal - ainda que seja apenas uma lista de declaração de intenções.

Dilma fez uma crítica velada aos países desenvolvidos, Estados Unidos à frente, que rejeitaram a criação de um fundo verde para ajudar na transição de países emergentes e pobres para um modelo de desenvolvimento sustentável.

"Em Los Cabos, no México, os países Brics colocaram US$ 75 bilhões no FMI. Um país africano, a África do Sul, teve a generosidade de compreender a crise da Europa e contribuiu com US$ 2 bilhões. Por entender a gravidade da situação da Europa", disse Dilma quando indagada sobre a razão de os países ricos terem rejeitado o fundo verde.

Mais adiante, Dilma matizou suas críticas. "Não acho que ninguém é responsável pelo atraso de nada", declarou. Para a presidente "muitos países estão enfrentando uma conjuntura difícil". Isso teria contribuído para a dificuldade em se firmar muitos compromissos objetivos no documento final da Rio+20.

Indagada se o texto atendia às suas expectativas, Dilma disse: "Atende a nossa prática? É óbvio que não". Em seguida comparou a matriz energética do Brasil (47% de fontes renováveis) com a de outros países desenvolvidos, muito menor.

"Mas não posso medir os outros países pela medida do Brasil", declarou a presidente. Ela exaltou a "capacidade" do Brasil de fazer uma "conferência de porte" como a Rio+20 e oferecer uma "plataforma comum", no caso, o documento final. "Isso é uma grande conquista". E concluiu: "Minha expectativa está amplamente satisfeita".

O documento final servirá, a partir de agora, de base para cobrança dos países signatários sobre atitudes a serem seguidas: "A partir de agora vamos medir com esse metro".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]