i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Protestos

Membros do Passe Livre serão levados à força para depor

De acordo com o secretário de Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella Vieira, o procedimento tem previsão legal

  • PorAgência Estado
  • 24/06/2014 13:53

A Polícia Civil fará a condução forçada dos 22 integrantes do Movimento Passe Livre intimados para depor nesta segunda-feira, 23, durante o jogo do Brasil na Copa do Mundo, sobre atos de violência em manifestações. De acordo com o secretário de Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella Vieira, esse procedimento tem previsão legal e será usado. O grupo se recusou a comparecer ao Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) ontem.

Grella disse nesta terça-feira, 24, que os ativistas serão ouvidos "sem dúvida nenhuma". "Nós vamos fazer cumprir a lei", garantiu. O MPL já apresentou um habeas-corpus para tentar trancar o inquérito no Deic, mas nenhuma decisão foi publicada. Os ativistas também desmentem qualquer suposta ligação com os black blocs. "Conversamos com qualquer manifestante nas ruas, estejam eles com rosto coberto ou não", disse Matheus Preis, de 21 anos, porta-voz do MPL. "Com os black blocs, não existe nenhuma articulação formalizada ou contato formal, mesmo porque eles não são um grupo organizado", completou.

Parte dos 22 ativistas chamados são os que assinaram um carta a Grella, no dia 30 de maio. O documento foi entregue em um ato em que eles se amarraram ao edifício sede da Pasta, na Rua Líbero Badaró, na região central da capital paulista.

Em nota publicada nesta segunda-feira, integrantes do MPL afirmam que voltaram a ser intimidados agora, "mas quando o movimento se apresentou voluntariamente para tratar sobre o inquérito diretamente com quem é responsável por ele, não obteve qualquer resposta".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.