Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Adolescente saiu do morro com fuzil e munição a pedido de um traficante. A arma seria levada para outra comunidade | Eduardo Naddar/Agência O Dia
Adolescente saiu do morro com fuzil e munição a pedido de um traficante. A arma seria levada para outra comunidade| Foto: Eduardo Naddar/Agência O Dia

Rio de Janeiro - Vestida com uniforme escolar da rede pública, uma adolescente de 15 anos foi detida na manhã de ontem com um fuzil calibre 556 carregado com mais de 15 munições na Rua Sá Ferreira, próximo a uma das entradas de acesso à favela Pavão-Pavãozinho, em Copaca­bana, na zona sul do Rio. Um homem apontado como proprietário da arma foi preso.

De acordo com policiais civis da 13.ª DP (Ipanema), Marcos Vi­­nícius Luiz, 22 anos, pediu para a jovem sair da comunidade com o fuzil, escondido em uma bolsa para não chamar a atenção da polícia. Desde segunda-feira a Polícia Militar ocupa os morros Pavão-Pavãozinho e Cantagalo para a implantação da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). A polícia informou ainda que um homem foi detido para averiguação, mas prestou depoimento e foi liberado. Na delegacia, a adolescente disse que a arma seria levada para o morro da Chatuba, na Penha, zona norte da cidade.

O comandante do 19.º Batalhão da PM (Copacabana), tenente-coronel Rogério Seabra, informou que os três suspeitos conversavam às 10h40 de ontem em um ponto de ônibus na Rua Sá Ferreira. Policiais do batalhão desconfiaram da movimentação e passaram a observar o grupo. "Percebemos que tinha algo errado porque a menina estava com uma bolsa esportiva grande conversando com suspeitos no horário em que ela deveria estar na escola. Depois da abordagem, ela abriu a bolsa e foi encontrado o fuzil", afirmou o comandante.

Seabra disse que é comum traficantes de drogas usarem moradores para desviar a atenção da polícia. O comandante relembrou o caso envolvendo menores que carregavam armas para criminosos durante a ocupação do Bope no conjunto de favelas do Alemão, na Penha, zona norte do Rio, há dois anos. "Isso já aconteceu antes, há dois anos, no morro do Alemão. Os criminosos obrigam mulheres, crianças e idosos a levar armamento em bolsas e mochilas para passarem desapercebidos pela polícia. Ali no Pavão-Pavãozinho, nós já sabíamos que isso podia acontecer, por isso continuamos atentos", afirmou o comandante do Batalhão de Copacabana. A menina será levada para a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente.

Granadas

Policiais militares do Ba­­talhão de Operações Especiais (Bope) também encontraram na tarde de ontem oito granadas, duas submetralhadoras e duas pistolas enterradas em um matagal no alto do morro Pavão-Pavão­zinho. De acordo com o tenente-coronel Sea­bra, as armas apreendidas foram levadas para a 13.ª DP. O co­­man­­dante do 19.º batalhão da PM ainda afirmou que somente agentes do Bope estão no interior da favela. Segundo ele, os PMs do batalhão estão posicionados apenas ao redor da comunidade.

De acordo com o tenente-coronel, os agentes chegaram ao arsenal enterrado por meio de denúncia anônima. Informantes disseram à polícia que traficantes esconderam armas e drogas no matagal para que os policiais não as encontrassem durante a ocupação na favela.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]