i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Violência

Ministra quer que investigação federal sobre morte de moradores de rua em GO

Maria do Rosário apresentará um levantamento realizado pela SDH das deficiências dos inquéritos da polícia e de circunstâncias relevantes não denunciadas ao Ministério Público

  • PorAgência Estado
  • 17/04/2013 07:59

A ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), disse em nota que formalizará na manhã desta quarta-feira, 17, o pedido de federalização dos crimes praticados contra a população em situação de rua de Goiânia. De acordo com a secretaria, em nove meses, 30 moradores de rua foram assassinados na capital. No entanto, o Ministério Público de Goiás trabalha com um número total de 29 inquéritos.O documento será entregue ao procurador-Geral da República, Roberto Gurgel.

A ministra apresentará um levantamento realizado pela SDH das deficiências dos inquéritos da polícia e de circunstâncias relevantes não denunciadas ao Ministério Público para apresentar o pedido de deslocamento de competência dos casos para a esfera federal. Nessa terça-feira, 16, o procurador-geral de Justiça de Goiás, Lauro Machado Nogueira, afirmou que a proposta da secretária é incabível. Segundo ele, os casos de morte de moradores na cidade não configuram ação de grupo de extermínio.

Para o procurador a medida da Secretaria pressupõe a omissão por parte do Estado de Goiás, o que não seria verdade. Em nota publicada no site do Ministério Público de Goiás, Nogueira informou que as mortes ocorreram de maneiras diferentes. Ainda segundo o procurador, 13 suspeitos já estão presos, sendo que 11 deles é responsável por apenas um homicídio. Outros quatro mandados de prisão teriam sido expedidos o que, segundo o MP, significa que 17 casos já foram solucionados.

Entenda o caso

Na madrugada de terça-feira (16), foi registrado o 29.º homicídio contra moradores de rua, quando um homem, ainda não identificado, acabou esfaqueado em uma calçada do Setor Coimbra, bairro de Goiânia. Um dia antes, outro sem-teto foi baleado e está em estado grave no Hospital de Urgências da cidade. Desde o início do ano, a capital goiana vive uma onda de violência contra moradores em situação de rua.

Mesmo tendo sido mortos na madrugada e enquanto dormiam nas calçadas, a polícia entende que ambos os casos têm relação com drogas. "São pessoas que moram nas ruas e usam drogas, principalmente o crack", disse ontem o delegado Murilo Polatti, da Delegacia de Investigações Homicídios (DIH). Segundo ele, 18 mortes estão relacionadas às disputas por drogas. Ele também descartou a ação de um grupo de extermínio.

As mortes, no entanto, ocorrem em série, e os moradores de rua estão sendo assassinados a tiros, facadas, pauladas e espancamento. "Não se trata de a Polícia Federal entrar ali para dar apoio ao Estado. Trata-se de verificarmos se em Goiânia nós temos no tecido do Estado o envolvimento de pessoas com o crime organizado", disse a ministra Maria do Rosário.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.