i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
RJ

Ministro descarta uso da Força Nacional e Exército para segurança do papa Francisco

Papa virá ao Brasil para a ornada Mundial da Juventude (JMJ), entre 23 a 28 de julho

  • PorAgência Brasil
  • 28/06/2013 17:23

Apesar das manifestações ocorridas no país nas últimas semanas, muitas com ações de vandalismo, o governo brasileiro está tranquilo em relação à segurança do papa Francisco e dos mais de 2 milhões de católicos que virão ao Brasil em julho próximo para participar da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), disse hoje (28) à Agência Brasil o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência da República. O evento está programado para o Rio de Janeiro, no período de 23 a 28 de julho.

Ele descartou a necessidade de recorrer à Força Nacional ou a tropas do Exército para garantir um ambiente de segurança e tranquilidade no Rio de Janeiro, durante o evento. "Absolutamente, não [será necessário]. Não pensamos em nada disso. Inclusive porque o público da Jornada tem uma marca muito forte da solidariedade". Ressaltou que, no mínimo, 1 milhão de pessoas de fora do Rio estarão na cidade para participar do evento. "E todo mundo vem com o espírito da paz, da fraternidade".

Após reunião esta tarde, no Palácio Guanabara, com o governador Sergio Cabral, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, e o arcebispo do Rio, dom Orani Tempesta, o ministro disse que a vinda do papa, a seu ver, vai ajudar a elevar o nível desse processo de movimentos populares. "É uma chamada para a solidariedade e a fraternidade, que vai ao encontro da boa energia que está na rua. Nós achamos que, até lá, vai haver um processo de purificação, digamos".

Carvalho ressaltou que nos próximos 30 dias, "muita coisa vai rolar ainda". Observou que as manifestações estão cada vez mais repudiando o que é vandalismo. "Está havendo uma separação. A gente acha que até lá, vai estar ainda mais decantado. E, portanto, nós não estamos mais preocupados com esse aspecto", disse. Para o ministro, embora as manifestações continuem, a Jornada Mundial da Juventude vai contribuir para o bom andamento do processo.

Durante o encontro, foram debatidos os últimos preparativos para a JMJ, incluindo questões de logística relativas à vinda do papa Francisco. "Foi uma espécie de revisão dos preparativos. Passamos a ele [arcebispo] a segurança de que tudo será feito para que tudo ocorra da melhor maneira possível, o Estado brasileiro assegurando não apenas a logística, mas todo o funcionamento da cidade, do país, naqueles dias", declarou o ministro.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.