i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Abuso

Morador diz que reintegração em São Paulo teve bala de borracha

De acordo com o comando da operação, para demolir as casas num terreno de 77 mil metros quadrados no Parque São Rafael, em São Mateus, não foi permitido o disparo desse tipo de munição

  • PorAgência Estado
  • 28/06/2013 05:33

Uma reintegração de posse na zona leste de São Paulo terminou nesta quinta-feira (28) em confrontos entre policiais e moradores, que resistiram à ação da Polícia Militar (PM) e se queixaram do uso de balas de borracha, além de bombas de efeito moral. De acordo com o comando da operação, para demolir as casas num terreno de 77 mil metros quadrados no Parque São Rafael, em São Mateus, não foi permitido o disparo desse tipo de munição.

As balas de borracha foram proibidas em protestos pacíficos pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), após as manifestações das últimas semanas. Num dos lotes, a Força Tática da PM, que começou a ação às 5 horas, foi recebida com pedradas e lançou uma série de bombas de gás lacrimogêneo até dispersar o grupo. Os moradores alegam que foram agredidos injustamente porque os agitadores não faziam parte da vizinhança que residia no local. Para impedir a entrada dos soldados, eles montaram barricadas com pedaços de madeira e pneus em chamas.

Segundo o major Luiz Roberto Miranda Júnior, houve apenas dois feridos: um PM atingido por uma pedra no pescoço e o fotógrafo da agência de notícias Associated Press (AP) Nelson Antoini, que foi levado a hospital com um corte na orelha. De acordo com Antoini, um estilhaço de uma bomba de efeito moral provocou a lesão.

Os moradores, no entanto, afirmam ter sido atingidos por balas de borracha e gás lacrimogêneo dentro das suas casas. "Realmente apareceu morador com uma ou três balas de borrachas na mão. Pode ser que algum policial sem ordem deu um tiro para cima e alguém pegou. Quase todo final de semana tem baile funk, vem pelotão policial e tem tiro de borracha a rodo", disse o Miranda Júnior. Ele afirmou que será apurado se houve excesso da polícia.

Famílias

A decisão para desocupar área foi dada em fevereiro, mas só agora foi cumprida. O defensor público Rafael Lima disse que a Justiça recusou a entrada dele como representante de todos os moradores, mas atua em nome de pelo menos seis deles. Ele calcula que havia 150 famílias com 450 pessoas - para PM, havia 70 famílias.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.