i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Curitiba

Moradores acusam PM de matar jovem inocente

PM afirma ter revidado disparos, mas vai apurar o caso

  • PorJoão Varella e Marcos Xavier Vicente
  • 09/10/2008 17:22
Moradores colocaram uma faixa na porta de entrada do velório de André Santos das Neves | João Varella / Gazeta do Povo
Moradores colocaram uma faixa na porta de entrada do velório de André Santos das Neves| Foto: João Varella / Gazeta do Povo

A morte de um jovem de 21 anos por policiais militares na madrugada desta quinta-feira (9) provocou revolta nos moradores da Vila Torres, em Curitiba. Familiares e moradores acusam policiais militares de terem executado o rapaz, que não teria oferecido resistência, sem motivos. A versão da Polícia Militar dá conta de que os policiais revidado os disparos. André Santos das Neves não tinha antecedente criminal.

Segundo os moradores e familiares, que não quiseram ser identificados, André dormia no segundo andar do sobrado de sua família com sua namorada, que está grávida de quatro meses. Por volta da 0h30, teria se acordado com os barulhos da porta do seu quarto sendo arrombada por um grupo de policiais, que não tinham mandado de prisão. Assustado, André teria pulado pela janela de seu quarto.

A equipe de policiais, que estariam sem identificação, deu voz de prisão. O jovem teria se rendido, mas, mesmo assim, foi alvejado com quatro tiros dentro de casa. Os moradores contam ainda que o corpo foi arrastado até a rua. André foi morto no início da madrugada. Ele foi encaminhado ao Hospital Cajuru, mas não resistiu aos ferimentos.

Na casa, há vestígios de sangue, inclusive no corredor por onde a vítima teria sido arrastada. Há também marcas de duas solas de botinas sobrepostas na porta de madeira do quarto onde o jovem estaria dormindo. Dois projéteis disparados teriam sido entregues à Polícia Civil. "Disseram que iam colocar um saco na minha cabeça. Falei que estava grávida, mas eles nem se importaram", declarou a namorada de André, que afirma ter sofrido agressões verbais.

O pai de André, o funcionário do setor administrativo da Polícia Civil Antônio das Neves, diz que os carros policiais que participaram da morte do jovem tinham os seguintes números: 5877, 4518, 6880 e 6881. Segundo ele, as equipes eram da Ronda Ostensiva Tático Móvel (Rotam).

No hospital, Antônio afirma que policiais militares reconheceram que houve um equívoco na abordagem. "Eles estavam atrás do Tanakinha, que chegou a levar um tiro nas nádegas esses dias. No dia 4, a Rotam realmente esteve na Vila procurando por ele", explica Antônio. Os dois seriam parecidos.

Apesar de não ter antecedentes, o pai confirma que alguns amigos do rapaz tinham envolvimento com tráfico e que a mãe dele é dependente química. "Mas a polícia não pode generalizar. Não é porqueele tinha amigos que foram para o caminho do crime que ele também eracriminoso", aponta o pai.

Uma tia conta ainda que André teria sido ameaçado dias antes por PMs "fortemente armados". "Fazíamos um churrasco, uma confraternização na minha casa. Até que vieram os homens, gritando e xingando. Olharam para o piá e juraram ele de morte", descreveu uma tia de André. A equipe policial que teria feito essa ameaça é a de número 6882.

A versão da PM

Já a Polícia Militar alega que André foi baleado na rua. Os policiais militares teriam revidado disparos de escopeta do acusado, que também estaria portando uma metralhadora 9 milímetros, 80munições, 50 pedras de crack e uma certa quantidade de maconha. Segundo o Major Antônio Zanatta Neto, responsável pelo setor de comunicação da PM, todo o material apreendido foi entregue no Centro Integrado de Atendimento ao Cidadão (CIAC), que registra as ocorrências policiais durante a madrugada.

O delegado-titular do 10º Distrito Policial, que fez o atendimento, não retornou as ligações da reportagem até as 19h30. Como o caso tem autoria conhecida, as investigações deverão ser transferidas para o 2º Distrito Policial, responsável pela área da Vila Torres. "De qualquer forma, iniciamos um inquérito interno para apurar o caso. Uma conclusão deverá ser divulgada em 60 dias", assegura Zanatta. Os policiais já teriam sido identificados.

O corpo de André foi velado nesta tarde, na Rua Almir Zagonel, a mesma onde mora e teria sido morto.

Veja também
    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

      Fim dos comentários.