Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Movimento e obras causaram confusão neste sábado na rodoviária de Curitiba | Ivonaldo Alexandre/Agência de Notícias Gazeta do Povo
Movimento e obras causaram confusão neste sábado na rodoviária de Curitiba| Foto: Ivonaldo Alexandre/Agência de Notícias Gazeta do Povo

Quem precisou embarcar ou esperar parentes neste sábado (22), durante a manhã, na rodoferroviária de Curitiba só se estressou. Milhares de passageiros se amontoavam nos corredores em obras e nos acessos às plataformas à espera dos veículos, que em sua grande maioria, não conseguiam sair da área do acesso. No pátio, uma extensa fila de ônibus aguardava um box para poder liberar os passageiros.

Para infelicidade de Geordani Francieli Vagner, 23 anos, a família não tinha notícias da mãe Maria Ceni Vagner, 66 anos. O ônibus que vinha de Porto Alegre estava sendo esperado para as 9 horas. Duas horas depois, ainda não tinha chegado. "Estamos sem informação. Os ônibus chegam e temos que ir em cada um deles para saber se a minha mãe está ou não nele. Tem gente desembarcando no início do acesso". No alto-falante, diversas informações de crianças perdidas e familiares que aguardavam passageiros.

Diversas pessoas também aguardavam ansiosas,acomodadas como podiam, a saída de ônibus para o litoral, depois de terem perdido a passagem. Era o caso de José Ferreira Lidório, 42 anos, a filha e a sobrinha que chegaram de Cascavel, interior do Paraná, às 10 horas. A estimativa da saída do interior era de que o ônibus chegaria a Curitiba às 6h30, o que não aconteceu. A passagem comprada para as 7 horas com destino à Guaratuba, litoral, precisou ser remarcada. Sentados no jardinete do terminal, porque as salas de espera estavam completamente lotadas nas áreas de embarque, os três esperavam o novo embarque, marcado para 11h15. "As obras estão atrapalhando um pouco a circulação das pessoas. Não temos onde ficar. Sem contar essa dificuldade a dificuldade de chegar aqui".

Para o administrador da rodoferroviária Hélcio dos Anjos, a movimentação no entorno do terminal é atípica. Com o feriado no meio da semana, muitas pessoas aproveitaram para sair às comprar no sábado, causando a lentidão e engarrafamento no tráfego na região. Com isso, muitas empresas de ônibus foram orientadas a liberar os passageiros na área de entrada, conhecida como "mangueirão", quando estavam com poucos passageiros.

Além disso, foram feitas travessias operacionais por conta das obras – iniciadas em julho – para o tráfego dos pedestres de um lado a outro da plataforma. Mas a reportagem presenciou diversos casos de passageiros atravessando entre os ônibus. Alguns reclamaram que não sabiam onde fazer a travessia segura e, por isso, arriscavam para não perderem o embarque ou conseguirem sair do terminal.

Movimento

Até as 12 horas, em torno de 15 mil pessoas tinham passado pelo terminal. Até amanhã, a administração da rodoferroviária deverá dispor de 150 ônibus extras. Pelo levantamento da Urbs, 42% dos ônibus devem se deslocar para o interior do estado, 20% para o estado de Santa Catarina e 18% para o litoral do Paraná. "Acreditamos que haverá um aumento de 5% no movimento", estima o administrador Hélcio dos Anjos. No ano passado, no período de 20 a 24 de dezembro, 75 mil pessoas chegaram à Curitiba em, aproximadamente, três mil veículos. "Não acredito que as obras estejam atrapalhando. Já tivemos outros feriados e não houve problemas".

Veja o que muda na rodoviária com as obras:

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]