i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Abril vermelho

MST ocupa Incra no DF e em 5 estados

Movimento pede o assentamento de 90 mil famílias e invade a superintendência do órgão em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Pará, Piauí e Paraíba

  • PorDas agências
  • 19/04/2010 21:08
Ocupação da sede do Incra no Rio: "abril vermelho" já teve 68 invasões de propriedades, em 11 estados | Marcelo Casal Jr/ABR
Ocupação da sede do Incra no Rio: "abril vermelho" já teve 68 invasões de propriedades, em 11 estados| Foto: Marcelo Casal Jr/ABR

São Paulo - Manifestantes ligados ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) invadiram ontem as sedes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em cinco estados – São Paulo, Rio de Janeiro, Pará, Piauí e Paraíba – e no Distrito Federal. Em Pernam­­buco, a superintendência do órgão está ocupada desde sábado. O movimento realizou manifestações em 19 estados ontem, para cobrar do governo federal a criação de novos assentamentos da reforma agrária e exigir mais apoio para as famílias já assentadas.

Apenas em Brasília o prédio havia sido desocupado até a noite de ontem, segundo comunicado do MST. O presidente do Incra, Rolf Hackbart, afirmou que as invasões são "inaceitáveis" e rechaçou a crítica dos movimentos sociais ao governo Lula. "Criamos mais de 3,6 mil assentamentos. Mais de 574 mil famílias estão cadastradas no programa de reforma agrária", garantiu. Segundo ele, enquanto continuarem as invasões de prédios do Incra pelo país, as negociações ficarão suspensas.

Nos protestos, que integram o chamado "abril vermelho", os ma­­nifestantes do MST reivindicam o assentamento de 90 mil famílias acampadas em todo o país, a atualização dos índices de produtividade, a garantia de recursos para as desapropriações de terras e investimentos públicos nos assentamentos. Desde o início das ações do "abril vermelho", foram invadidas 68 propriedades em 11 estados.

No Recife, cerca de mil integrantes do movimento fizeram ca­­minhadas em avenidas de grande movimento, no início da ma­­nhã, horário de pico de veículos, causando congestionamentos e re­­clamações. Na Bahia, o MST deu início a uma marcha que percorrerá, até o dia 26, os 110 km que li­­gam Feira de Santana e Salvador, as duas maiores cidades do estado. Em Fortaleza (CE), os sem-terra ocuparam a sede do governo estadual. Eles também fizeram marchas em Minas e Tocantins. No Rio Grande do Sul os protestos foram realizados em estradas vicinais do município de São Gabriel, para ho­­me­­nagear o acampado Elton Brum da Fonseca, morto naquela re­­gião pela Brigada Militar, durante uma desocupação, em agosto do ano passado.

Reação

Em reação aos atos do MST, a Con­­federação Nacional da Agricultura (CNA) instalou ontem um escritório voltado para a defesa dos direitos dos proprietários rurais atingidos. O escritório conta com técnicos especializados e advogados, que devem atuar em conjunto com as federações estaduais de agricultura e pecuária. A ação faz parte da campanha "Vamos Tirar o Brasil do Vermelho - Invasão É Crime", lançada na semana passada pela presidente da entidade, a senadora Kátia Abreu (DEM-TO).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.