i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
violência no Rio

No Rio, mediador encontra dupla que quis matá-lo

As conversas com moradores e traficantes do Complexo do Alemão começaram na sexta-feira, quando as forças de segurança sinalizavam a tomada da região

  • PorAgência Estado
  • 29/11/2010 07:31

Acostumado a mediar conflitos no Rio de Janeiro, o coordenador executivo do AfroReggae, José Júnior, viveu neste sábado uma das situações mais delicadas da carreira ao subir a Favela da Grota para conversar com traficantes do Complexo do Alemão. Ele teve de debater alternativas para a invasão iminente com dois integrantes do tráfico local que há pouco mais de um mês tiveram cartas interceptadas pela inteligência da polícia nas quais solicitavam autorização de lideranças presas do Comando Vermelho para assassinar o líder do AfroReggae.

As cartas com ameaças a José Júnior foram publicadas em outubro pelo jornal O Estado de S. Paulo. "Como a situação estava tensa e naquele grupo estavam pessoas que desconfiaram da minha integridade como mediador, fiquei com medo de que eu pudesse ser feito refém e usado como moeda de troca", conta. No encontro, os traficantes negaram que tivessem a intenção de matá-lo. "Falei para evitarem o confronto, caso contrário, iriam morrer." Eles concordaram e muitas lideranças do tráfico fugiram, abandonando drogas e armamentos.

As conversas com moradores e traficantes do Complexo do Alemão começaram na sexta-feira, quando as forças de segurança sinalizavam a tomada da região. Júnior recebeu diversos telefonemas e não teve dúvidas de que era importante conversar, já que o AfroReggae desenvolve importantes trabalhos sociais tanto na Grota quanto na Vila Cruzeiro. Temia apenas que os planos de defesa do tráfico pudessem usá-lo como escudo.

O trabalho da polícia de abalar emocionalmente os traficantes, com sobrevoos permanentes de helicópteros, havia surtido efeito. Nervosos, eles não queriam confronto. Júnior já havia conversado também com policiais, que teriam garantido que não haveria humilhações ou "esculachos". "Caso tudo continue como foi (a reportagem falou com o líder do AfroReggae às 16h30 de ontem), avalio o trabalho como bom. Vamos torcer para que continue assim sem baixas", disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.