Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Daniel Castellano / Gazeta do Povo
| Foto: Daniel Castellano / Gazeta do Povo

Depois de passar por uma expansão explosiva nos últimos anos, a frota de automóveis de Curitiba estacionou e começou a diminuir. Dados oficiais do Detran mostram que desde o início de 2016, a cidade “perdeu” três mil carros, passando de 979 mil automóveis em janeiro para 976 mil em junho. Com isso, a frota já é ligeiramente menor do que a de dezembro de 2014, quando a cidade tinha 978 mil automóveis registrados.

O fenômeno, por enquanto, é típico da capital. No interior, os dados do Detran mostram que as frotas continuam aumentando. De janeiro de 2015 até junho deste ano, o Paraná aumentou sua frota de carros de 3,8 milhões para 4 milhões. Ou seja: a perda da capital mais do que foi compensada pelas outras cidades – o que significa que, no geral, o aumento de IPVA promovido pelo governo do estado na virada de 2015, não teve impacto.

LEIA MAIS: Veja a evolução da frota de carros e de veículos em geral em Curitiba:

Em Curitiba, a frota vinha crescendo a índices impressionantes. Em 2008, a cidade chegou a um milhão de veículos – o que soma não só os carros, como também motos, caminhões, caminhonetes etc. Em 2014, já eram mais de 1,4 milhão. Um aumento de 40% em apenas oito anos. A frota de carros subiu a 3% ao ano até 2014. Se mantivesse esse crescimento, 2015 seria o ano em que a cidade passaria de 1 milhão de carros. Mas isso não aconteceu.

Em 2015, começou o ano mantendo algum crescimento, mas depois estacionou. No segundo semestre, entrou em queda. O fenômeno pode ter relação com a crise econômica, que afetou Curitiba com força, e com algumas medidas restritivas de trânsito adotadas pela prefeitura, como a adoção de limites menores de velocidade em algumas áreas. No entanto, parece não ter relação com uma desistência do transporte particular, já que o ônibus também perdeu passageiros.

Taxas

O IPVA, embora não tenha afetado outros municípios, pode ter tido efeito maior em Curitiba em função de locadoras de veículos, que colocavam seus carros para emplacar no Paraná devido à alíquota menor. Quando o governo aumentou de 2,5% para 3,5% o valor cobrado, em 2015, esse incentivo diminuiu.

O secretário de Estado da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, tenta neste momento reduzir as taxas do Detran no estado para compensar esse efeito e combater a “guerra fiscal” promovida por Belo Horizonte para atrair as empresas. Os mineiros reduziram as taxas com o objetivo de atrair 30 mil veículos desse tipo que estão hoje registrados em Curitiba.

Pela pacote de medidas enviado pelo governo à Assembleia, o governo poderá reduzir as taxas cobradas de locadoras até “empatar” com a de outros estados. O problema com a saída seria justamente a arrecadação de IPVA, que poderia ter um decréscimo de R$ 30 milhões ao ano.

Outros fatores que podem desestimular a compra de novos veículos em Curitiba são o aumento da frota de táxis, em 2014, a chegada do Uber e o fato de que a frota pode ter chegado naturalmente a uma saturação, com cerca de um carro a cada duas pessoas – o que, inclusive, teve consequências sérias para o fluxo no trânsito da cidade.

Ascensão e queda

Veja a evolução da frota de carros e de veículos em geral em Curitiba:

2008 - Pela primeira vez, a frota total de veículos de Curitiba chega a 1 milhão.

2012 - A frota total era de 1,25 milhão em janeiro e a cidade tinha 886 mil carros.

2013 - O crescimento continua e Curitiba começa o ano com 1,3 milhão de veículos e 915 mil carros.

2014 - Em janeiro, o número de carros sobe mais 3% em relação ao ano anterior e chega a 945 mil registros.

2015 - 0 número máximo que a cidade atingiu de carros até hoje ocorreu neste ano, com 981 mil registros.

2016 - A frota de carros chega a junho com 976 mil registros. O número total de veículos é de 1,4 milhão.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]