i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde

Número de transplantes de córnea tem leve queda no Paraná

Novos tratamentos de visão são a parte positiva da explicação para isso, mas a falta de doadores – a parte negativa – já provoca fila de espera

  • PorFernanda Trisotto
  • 22/01/2015 21:04
Falta de agilidade na identificação de mortes cerebrais atrapalha a obtenção de possíveis doadores | Brunno Covello/Gazeta do Povo
Falta de agilidade na identificação de mortes cerebrais atrapalha a obtenção de possíveis doadores| Foto: Brunno Covello/Gazeta do Povo

Causas

Ceratocone é principal diagnóstico de pacientes na fila de espera

Praticamente metade das pessoas que esperam um transplante de córnea no Paraná tem diagnóstico de ceratocone – são 150 de 369 pacientes na fila.

A oftalmologista Ana Cláudia Mariushi, do Hospital de Olhos do Paraná, explica que a doença, uma deformação na córnea, é a mais comum entre os que aguardam pela cirurgia."É possível tentar outros tratamentos, mas em casos avançados a última alternativa é o transplante", diz.

Atualmente, procedimentos como o Anel de Ferrara, que é o implante de uma órtese intracorneana, e o Crosslinking, que aumenta a rigidez dos tecidos da córnea com um combinado de luz ultravioleta e gostas de vitamina B2, evitam que pacientes fiquem na fila do transplante.

Outras causas

No entanto, outras doenças também levam à necessidade de uma nova córnea. Ana Cláudia explica que cicatrizes no tecido podem impedir a pessoa de enxergar. Elas podem ser causadas por um machucado que virou uma úlcera, uma infecção por bactéria, inclusive por causa da lente de contato.

E se engana quem pensa que são os mais velhos que precisam do transplante. A idade média dos pacientes que estão na fila, aguardando o procedimento, varia entre 18 e 34 anos (130 pessoas) e 35 a 49 anos (61 pessoas).

Depois da cirurgia

Pós-operatório exige cuidados para evitar rejeição

O transplante de córnea registra menos casos de rejeição que o de órgãos como coração, rins e fígado. "Como a córnea é avascular, não tem vaso sanguíneo, nem linfático, ela fica um pouco mais escondida do sistema imunológico", explica a oftalmologista Ana Cláudia Mariushi, do Hospital de Olhos do Paraná. Esses pacientes não precisam fazer o tratamento de imunossupressão. Mesmo assim, há possibilidade de rejeição, mais frequente no primeiro ano. Para evitar problemas, a médica ressalta que a recomendação é de repouso no pós-operatório e o uso correto de colírios, além de manter o acompanhamento médico. "Se teve algum sinal, sentiu o olho vermelho, irritado ou visão embaçada, é preciso procurar o médico", ressalta.

Entre 2010 e 2014, a quantidade de transplantes de córnea realizados no Paraná apresentou uma ligeira queda, voltando ao patamar de 800 cirurgias anuais, depois de um pico de mais de mil operações. Não há uma única causa para essa diminuição. É fato que novos tratamentos e cirurgias alternativas, menos invasivas, contribuem. Por outro lado, a diminuição do número de doadores acaba fazendo com que as pessoas que precisam do transplante esperem algum tempo na fila.

INFOGRÁFICO: Confira o número de doações e transplantes de córneas no Paraná

"O Paraná, há um ano e meio, estava com fila com zero [para transplante de córnea]. Isso é um chamariz grande. Hoje temos uma fila, pequena para quem tinha 1,5 mil pacientes, porém já temos uma fila", explica Arlene Badoch, diretora do Sistema Estadual de Transplantes, vinculado à Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). Ela explica que o alto número de cirurgias em 2011 e 2012 – somadas, foram 2.185 – acabaram por zerar a fila de pacientes que esperavam uma nova córnea, o que também atraiu pessoas de outros estados que precisavam de um transplante.

A oftalmologista Ana Cláudia Mariushi, coordenadora do Banco de Olhos do Hospital de Olhos do Paraná, lembra que novos casos continuam a aparecer. Com isso, a fila de espera voltou a existir. Atualmente, de acordo com os dados da Central Estadual de Transplantes, há 369 pessoas aguardando o transplante, mas só 45 cadastros estão ativos, ou seja, os pacientes estão aptos ao procedimento. Outra 324 pessoas são consideradas semiativas: estão inaptas temporariamente e não participam de listas de seleção para a distribuição de córneas. Elas podem ser removidas da lista caso permaneçam nesse status por mais de 120 dias ou recusem cinco ofertas de transplante.

"A média de tempo de espera é de quatro meses, mas já chegou a ser de três anos", lembra Ana Cláudia. Para ela, o grande problema enfrentado no setor é a falta de doadores. Ela cita como exemplo a situação do banco de córneas do próprio Hospital de Olhos. Desde outubro de 2014, são 20 doações mensais em média. O maior resultado em um mês foi de 100 doações.

Para Arlene, o Paraná tem "leques de desafios" para superar. Um deles é a subnotificação dos casos de morte cerebral: é preciso mais agilidade para identificar esse paciente e mostrar as opções para a família. "Precisamos trabalhar com as famílias, para ter acolhimento digno, estar bem confortada e acompanhar o processo", destaca. É esse processo que pode reverter a queda de transplantes para refletir um aumento de cirurgia acompanhado de encerramento da fila de espera.

Cirurgias se concentram em quatro cidades

O Paraná possui quatro cidades-polo para a realização de transplantes de órgãos e tecidos, como a córnea: Curitiba, Londrina, Maringá e Cascavel. Nessas quatro cidades, foram realizados 811 transplantes em 2014: mais da metade (455) na capital.

"O ideal seria ter clínicas capacitadas em outros lugares, mas o Paraná só credencia novos serviços de transplante de córnea se o local atender também pelo SUS", explica Arlene Badoch, do Sistema Estadual de Transplantes. A fila de espera acomoda tanto pacientes de planos de saúde ou particular quanto do SUS. No caso da córnea, o critério de ranqueamento é a data em que a pessoa entrou nessa fila, sem distinção de estado de origem ou rede pública ou privada. Casos de emergência são tratados como prioridade.

Ao contrário de outros órgãos que exigem que o transplante seja realizado poucas horas após a remoção, a córnea tem uma sobrevida um pouco maior. A oftalmologista Ana Cláudia Mariushi, do Hospital de Olhos do Paraná, explica que, após a morte, a equipe médica precisa retirar as córneas em até seis horas. O tempo poderia ser quatro vezes maior se houvessem câmaras de refrigeração para acondicionar os corpos.

Depois de retiradas, as córneas vão para os bancos de olhos, onde passam por exames e ficam em meios de preservação próprios, refrigerados. "Temos até 14 dias para transplantar, o prazo é bom", comenta. As córneas são disponibilizadas para a Central de Transplantes, que faz a ponte entre o paciente e o hospital. A partir daí, o prazo para a cirurgia é de 48 horas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.